Transporte

Trecho da Linha 4-Amarela ficará fechado neste domingo (15)

Viagem entre as estações Paulista e Faria Lima terá de ser feita de ônibus

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

Metrô - Linha amarela
Inauguração da estação Oscar Freire está prevista para o ano que vem (Foto: Divulgação)

As obras da futura estação Oscar Freire da Linha Amarela vão interromper parte da circulação do metrô durante todo o domingo (15). O trecho entre as estações Paulista e Faria Lima será fechado, e os passageiros terão de fazer o percurso em ônibus especiais do Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese). 

A suspensão dos serviços é necessária para a construção de uma das plataformas de embarque da futura estação, que será inaugurada no ano que vem. As obras começam por volta da 1h do domingo e vão até a noite. 

A viagem entre as estações Luz e Paulista acontecerá normalmente, assim como a operação do trecho entre Faria Lima e Butantã. As baldeações com as linhas Vermelha, Azul e com a Linha 9-Esmeralda da CPTM também não serão afetadas.

Metrô - estação paulista - linha amarela perfil ed.2292
Interdição: baldeações para as outras linhas do sistema funcionam normalmente (Foto: Mario Rodrigues)

Os trens da CPTM, no entanto, também sofrem alterações neste domingo (15) por causa de obras de modernização. Até as 20h, a Linha 9-Esmeralda tem o trecho entre Santo Amaro e Jurubatuba interditado. Na Linha 8-Diamante, não será possível circular entre Osasco e Barueri o dia inteiro, e as estações Comandante Sampaio, Quitaúna, General Miguel Costa, Santa Terezinha e Antônio João funcionarão apenas para desembarque. Ônibus especiais estão disponíveis nesses trechos. 

A Linha 7-Rubi, que normalmente faz o trecho Jundiaí-Luz, está interrompida o dia todo entre Franco da Rocha e Pirituba. Já a Linha 11-Coral vai ficar parada em dois trechos: Calmon Viana - Jundiapeba e Itaquera - Guaianazes.  A Zona Leste também será afetada com obras da Linha 12-Safira, que vai fechar o trecho entre Tatuapé e Engenheiro Goulart até meia-noite. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO