CRIMINALIDADE

Polícia prende traficantes que escondiam cocaína em árvore

Dois homens, de 34 e 18 anos, foram detidos em flagrante na madrugada desta sexta-feira (30) na região da Rua Augusta

Por: Adriana Farias

árvore-cocaína-drogas-tráfico
Rua Matias Aires, local onde a polícia flagrou dois homens escondendo cocaína dentro de árvore (Foto: Mário Rodrigues)

Uma dupla de traficantes que atuava na região da Rua Augusta usava uma árvore da espécie Tipuana tipu como esconderijo para papelotes de cocaína. Os criminosos foram presos na madrugada desta sexta-feira (30).

+ "Vou ter que comprar outro", diz dono de Camaro amarelo achado em desmanche

Após denúncias anônimas, os homens, de 18 e 34 anos, foram flagrados na Rua Matias Aires camuflando a droga dentro da planta. Instantes depois foram vistos vendendo o produto para usuários que transitavam de carro pela região. Um motorista de 34 anos que comprou a droga dos traficantes também foi encaminhado à delegacia e liberado. Eles não tiveram a identidade revelada.

+ Violência policial sobe em São Paulo, aponta relatório internacional

De acordo com o delegado Roberto Pacheco de Toledo, do 4º DP (Consolação), os traficantes costumam esconder a droga e levam apenas pequenas quantidades no bolso. "Se são pegos pela polícia, eles afirmam ser apenas usuários, para quem a pena é mais branda", afirma Toledo. "Já pegamos casos de traficantes escondendo a droga embaixo de bancas de jornal, canos, pneus de carro e até em tomada elétrica de bar sem que o dono suspeitasse”, completa o escrivão Alessandro Zagordo. 

+ Confira as últimas notícias

O delegado diz que a prisão só foi possível após denúncia anônima. Com a dupla, os policiais apreenderam no “pé de cocaína” dezesseis papelotes da droga (não há informação no boletim de ocorrência sobre a quantidade), além de 70 reais. Segundo a polícia, o rapaz de 18 anos não tem antecedentes criminais. O outro criminoso já foi preso por sequestro e roubos.

Caso condenados por tráfico de drogas a dupla pode pegar de cinco a quinze anos de prisão.

Fonte: VEJA SÃO PAULO