Futebol

Torcedor é detido após comentário racista contra jogador do Corinthians

Atleta de 17 anos teria sido chamado de "macaco" em partida realizada em Guaxupé nesse domingo (12)

Por: Estadão Conteúdo

Corinthians
Jogador faz parte da equipe sub-17 do Corinthians (Foto: Reprodução/Chute Inicial Corinthians)

Um torcedor foi detido por policiais militares por injúria racial, em Guaxupé (MG), nesse domingo (12). Ele é suspeito de ter chamado um jogador do Corinthians de “macaco” durante o confronto do time paulista contra a Sociedade Esportiva Guaxupé na Taça BH, competição que reúne equipes com atletas de até 17 anos.

+ Polícia identifica suspeito de fazer comentários racistas contra Maju

O Corinthians venceu a partida por 7 a 0. A confusão aconteceu no segundo tempo envolvendo um dos principais destaques do time alvinegro.

+ Michel Teló causa polêmica ao protestar contra o racismo

Para a polícia, o jogador alegou que não viu quem o xingou, apenas ouviu a ofensa. A diretoria do Corinthians preferiu não prestar queixa. Com isso, o torcedor de 34 anos liberado após ser levado à delegacia. Ele confirmou ter falado algo para os jogadores em geral e negou o teor racista das palavras. O caso, porém, será investigado pela Polícia Civil de Varginha.

+ Foto de atleta brasileira recebe comentários grosseiros

O atleta de 17 anos foi ouvido pela polícia ainda no vestiário e contou ter avisado o árbitro Marcos Aurélio Fazekas sobre o problema. O suspeito trabalha como vendedor na cidade. O jogo aconteceu no Estádio Carlos Costa Monteiro.

De acordo com a ocorrência, o torcedor estava na companhia do filho e teria gritado: "O que você está rindo, seu macaco!". Pessoas que acompanhavam a partida indicaram para a polícia o vendedor como sendo o autor da ofensa.

+ Confira as principais notícias da cidade

Após um princípio de tumulto, o suspeito foi retirado do local, de acordo com o tenente Márcio Teófilo Nunes. O atleta foi orientado pela comissão técnica a não falar sobre o insulto. O caso foi registrado em uma delegacia da cidade.

Fonte: VEJA SÃO PAULO