Economia

Tim pode ser comprada por Vivo, Oi e Claro

Operação deve custar entre 36 bilhões e 38 bilhões de reais

Por: Veja São Paulo

Celulares roubados
Mercado de telefonia celular deve sofrer mudanças em breve (Foto: Avener Prado/Folhapress)

A TIM, segunda maior companhia telefônica do país, deve ser comprada por Vivo, Oi e Claro e ser repartida entre as três. A transação, no entanto, depende de um outro negócio: a venda da Portugal Telecom pela Oi.

+ Morre Rafael Soares, filho do apresentador Jô Soares

Há atualmente três propostas finais em análise pela Oi por seus ativos portugueses. A companhia não abre mão de receber ao menos 7 bilhões de euros e, assim, reduzir o seu endividamento. Em comunicado divulgado ao mercado nesta quinta-feira (30), a Oi informou que foi contatada por diversos interessados nos ativos da Portugal Telecom, mas declarou que não recebeu qualquer proposta de alienação até a data.

O banco BTG Pactual, contratado para atuar como comissário pela Oi, trabalha no formato da operação de fatiamento da operadora controlada pela Telecom Itália. "É um processo complexo por envolver três companhias, mas a proposta já está em fase final", disse uma das fontes ao jornal O Estado de S. Paulo. O valor a ser pago pela TIM não está fechado, mas deve ficar entre 36 bilhões e 38 bilhões de reais.

+ José Dirceu deve se casar assim que deixar prisão

A Telecom Itália, por sua vez, já buscou os representantes da Oi para tentar costurar uma possível fusão com a TIM. No comunicado divulgado nesta sexta-feira (31), a Oi confirma que tem mantido contatos com a América Móvil, controladora da Claro, para aquisição da TIM.

A Oi também está vendendo 25% da participação da PT na companhia angolana Unitel, além de torres e outros ativos, avaliados em cerca de R$ 4 bilhões. No comunicado, a empresa informa que, em relação aos ativos na África, reitera que procura interessados em sua aquisição, "mas, até o momento, não há qualquer acordo, nem foram assinados quaisquer instrumentos ou propostas visando à alienação dos mesmos". (Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO