Teatro

Tiago Abravanel dá show em “Tim Maia – Vale Tudo, o Musical”

Neto de Silvio Santos se destaca na montagem que acerta por ser convencional

Por: Dirceu Alves Jr.

Tiago Abravanel - Tim Maia - Vale Tudo, o Musical - 2259
Abravanel em ação: ele encabeça o elenco e solta o vozeirão em 25 canções (Foto: Caio Gallucci)

Muitas vezes esquecida pelos encenadores, a magia do teatro só se estabelece quando o público acredita ter diante dos olhos uma realidade — e não a tentativa de recriar uma história. Desde a estreia no Rio de Janeiro, há sete meses, “Tim Maia — Vale Tudo, o Musical” foi visto por 100.000 pessoas, a maioria entusiasmada com o resultado. A chegada ao Teatro Procópio Ferreira, portanto, vem cercada de uma expectativa que poderia acabar em decepção. Mas esse risco não atinge o espetáculo escrito por Nelson Motta. O responsável é o paulistano Tiago Abravanel, de 24 anos e neto de Silvio Santos, um ator de luz própria e esforço visível no palco.

+ Concurso Cultural: o que te faz chamar o síndico?

+ Marisa Orth e Daniel Boaventura estrelam musical da Família Addams

O desempenho de Abravanel na pele do cantor e compositor Sebastião Rodrigues Maia (1942-1998) leva os espectadores a ter certeza de que ele é o artista, tamanha a fidelidade da caracterização. À frente de onze atores e sete instrumentistas, o ator recria o personagem dos 12 aos 55 anos, soltando o vozeirão potente em 25 canções. Estruturada como um flashback durante o último show de Tim, realizado em Niterói (RJ) — no qual ele passou mal e, uma semana depois, veio a falecer —, a peça traz uma estrutura linear. A infância, o encontro com Roberto Carlos (o convincente Reiner Tenente) e Elis Regina (papel de Izabela Bicalho), a dependência das drogas e o estouro nos anos 70 costuram temas como “Azul da Cor do Mar", "Sossego", "Chocolate" e "Me Dê Motivo”.

Sem ousadias estéticas, a direção de João Fonseca tira proveito do elenco e da empatia do biografado. “Tim Maia — Vale Tudo, o Musical” mostra-se uma montagem convencional, e isso se revela uma qualidade. Conta bem uma história, diverte, emociona e não se envergonha de estar ancorada na escolha acertada do protagonista. Afinal, seria difícil acreditar no sucesso da produção sem Tiago Abravanel.

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO