Internacional

Terremoto no Nepal atinge expedição de montanhista brasileiro no Everest

O cearense Rosier Alexandre já se comunicou com a família no Brasil

Por: Estadão Conteúdo

Everest
Vista do Monte Everest (Foto: Image Source/Folhapress)

O terremoto no Nepal, que ocorreu neste sábado (25), por volta das 3h10 (de Brasília) e já matou mais de 1 000 pessoas, atingiu a expedição do montanhista cearense Rosier Alexandre no Monte Everest. Segundo a mulher do alpinista, Danúbia Saraiva, a avalanche provocada pelo abalo destruiu o campo base de Rosier, mas ele e o filho, Davi Saraiva, que participa da aventura, passam bem. Ela não soube informar o estado dos outros integrantes da equipe.

+ Chacina revela relação entre torcidas organizadas e facções criminosas

Danúbia contou à Agência Estado que Rosier entrou em contato com ela rapidamente por telefone, via satélite, por volta das 7h30 deste sábado (25), horário de Brasília. O montanhista estava a 6.400 metros de altitude, próximo ao campo avançado 2. No percurso da escalada, tem quatro campos avançados e um campo base. "O Davi estava no campo base, que foi destruído, mas passa bem", disse. Danúbia ainda não sabe como e quando será a descida dos brasileiros.

+ Cinzas vulcânicas pouco alteram voos para Buenos Aires

Essa é a segunda vez que o alpinista tenta escalar o Everest e é surpreendido por catástrofes naturais. No ano passado, Rosier presenciou uma avalanche que deixou 16 mortos, entre eles, integrantes da equipe dele. Na ocasião, ele já havia escalado mais de 70% dos 8,848 mil metros do monte. A escalada faz parte do projeto de Rosier denominado "Sete Cumes", cujo objetivo é escalar os sete pontos mais altos de cada continente.

+ Brasileiro condenado à morte na Indonésia pode ser executado a partir de terça

Até o momento, o montanhista já escalou seis dessas montanhas: Aconcágua, na América do Sul; Kilimanjaro, na África; Elbrus, na Europa; Carstensz, na Oceania; McKinley, America do Norte; e Vinson, na Antártida. Para completar o projeto, falta apenas o Everest, considerado o ponto mais alto de sete continentes.

Mais cedo, o Instituto de Geofísica dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) revisou a magnitude do terremoto, de 7,9 para 7,8.

Fonte: VEJA SÃO PAULO