Crise hídrica

Terceira cota do volume morto vai abastecer também o interior

Última reserva do Sistema Cantareira deve evitar colapso de abastecimento em São Paulo

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Sistema Cantareira edição 2374
O uso da terceira cota do volume morto está sendo preparado para evitar o colapso no sistema de abastecimento de São Paulo (Foto: Luis Moura / Estadão Conteúdo)

O uso de uma terceira cota do volume morto do Sistema Cantareira, que está sendo preparado pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) para tentar evitar o colapso do abastecimento na Grande São Paulo, vai obrigar a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) a bombear água também para o interior paulista, algo nunca antes imaginado por gestores e especialistas em recursos hídricos. A medida ainda precisará de aval dos órgãos reguladores.

Com a retirada de até 41 bilhões de litros prevista para a Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, o nível do reservatório ficará abaixo da soleira do túnel por onde a água é liberada para o Rio Atibaia, responsável pelo abastecimento de 95% da população de Campinas, a 90 quilômetros da capital. Desta forma, a água não sairá mais do reservatório por gravidade, apenas por bombeamento, a exemplo do que a Sabesp já faz desde maio no sistema para abastecer a Grande São Paulo.

Chamado de descarga de fundo, esse túnel tem 1 metro de largura por 1,10 de altura, e fica a 17 metros de profundidade em relação à borda da represa, o equivalente a um prédio de seis andares. Segundo o professor de hidrologia Antonio Carlos Zuffo, da Unicamp, esse terceiro volume morto "é o fundo do poço" do reservatório. Apesar disso, explica, a água deve ter qualidade semelhante à que já é retirada hoje da segunda cota da reserva profunda.

"Aparentemente, essa água está parada lá há anos. Mas, como o nível da represa está baixo há muito tempo, ela vem recebendo mais luz e oxigênio do que recebia antes, além de sofrer uma circulação vertical. Por causa dessa mudança toda na dinâmica do reservatório, essa água deve ter qualidade semelhante à que estão captando hoje", afirma Zuffo.

Conforme o Estado mostrou em maio do ano passado, 76% da água do Cantareira que é considerada volume morto para a Sabesp, porque fica abaixo do nível mínimo das comportas por onde a companhia faz a transferência para a Grande São Paulo, já é fornecida para a Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), na região de Campinas. Com o agravamento da seca no manancial neste ano e ainda muito dependente do sistema, a companhia terá de captar uma água até então intocável. 

Com Estadão Conteúdo

Fonte: VEJA SÃO PAULO