Teatro

"Facas nas Galinhas" aborda o feminismo com frescor e delicadeza

Poética, montagem conta com soluções simples, mas de grande criatividade

Por: Dirceu Alves Jr. - Atualizado em

Teatro - Faca nas Galinhas - 2275
Thiago Andreuccetti, Eloisa Elena e Cláudio Queiroz em "Facas nas Galinhas": produção criativa (Foto: João Caldas)

O público paulistano tem como referência do autor escocês David Harrower o drama “Blackbird”, dirigido por Alexandre Tenório em 2010. Na montagem, o realismo da narrativa sobre pedofilia era realçado. Primeiro texto de Harrower e já apresentado em 25 países, o drama “Facas nas Galinhas” (1995) chega ao Brasil em uma encenação capitaneada por Francisco Medeiros. Além de conhecer um lado mais poético do dramaturgo, ainda pouco divulgado por aqui, o espectador ganha a chance de verificar como é possível tratar de um tema que parecia esgotado — a submissão feminina e sua posterior libertação — com frescor, delicadeza e atemporalidade.

+ Os melhores espetáculos em cartaz; salas e horários

+ Na Plateia, com Dirceu Alves Jr.

Repleto de simbologias, o texto aborda a capacidade de transformação da vida diante das oportunidades. Eloisa Elena interpreta uma camponesa subserviente cuja rotina se modifica depois de um incidente no estábulo. Impossibilitado de sair para o trabalho no moinho, o marido (papel de Cláudio Queiroz) a manda em seu lugar a fim de evitar prejuízos. Lá, ela conhece um moleiro (o ator Thiago Andreuccetti) e vê despertar inquietações adormecidas.

+ Gabriel Villela dá novo fôlego a "Macbeth"

O cenário de Marco Lima transforma-se em múltiplos ambientes só com o deslocamento de uma madeira ou o levantamento de uma das plataformas. Eloisa Elena transita entre a doçura, o inconformismo e a frieza em sutis olhares e entonações de voz. Queiroz e, principalmente, Andreuccetti surgem como contrapontos à altura da protagonista. Em meio à simplicidade da produção, as soluções de Medeiros, a exemplo da chuva de farinha ou das gotas de sangue, chamam atenção pela criatividade e pelo talento de fazer bom teatro com poucos recursos e poesia de sobra.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO