Noite

Taboo dá um trato no visual

Casa ganha novo sistema de iluminação, painéis com projeções de acordo com o tema da noitada e camarim para maquiagem

Por: Carolina Giovanelli - Atualizado em

Taboo
No Brooklin: Taboo reabre após um mês de reformas (Foto: Raul Zito)

Reinventar-se e trazer novidades é uma das maneiras de sobreviver no disputado mercado de casas noturnas. Instalada no Brooklin, próximo de concorrentes de peso como Asia 70, Cabaret e Museum, a Taboo volta a funcionar depois de um mês de reforma.

+ Nascimento e morte de uma balada

+ Aplicativos úteis para os baladeiros

+ VEJA SÃO PAULO Cai na Noite: um guia do melhor das baladas paulistanas

Há agora um novo sistema de iluminação, três painéis com projeções de acordo com o tema da noitada e um camarim onde dois profissionais retocam a maquiagem e dão um trato nos cabelos das meninas de graça. Os camarotes do térreo (R$ 2.000,00, para quinze pessoas) subiram 70 centímetros do nível da pista e ficam agora do lado da cabine do DJ, que mudou de lugar. Batidas de house animam o pessoal recém-saído da adolescência. Grande parte do público é convidada por um dos quarenta promoters espalhados pelas redes sociais, outra iniciativa da casa para atrair clientes.

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

Fonte: VEJA SÃO PAULO