CRIME

Suspeito de estupro coletivo diz que traficante foi autor do vídeo

Raí de Souza, de 22 anos, prestou depoimento à polícia na noite de sexta (27)

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Namorado da menor violentada, Raí de Souza, 22 anos, prestou depoimento para a polícia do Rio de Janeiro na noite de sexta (27). O rapaz afirmou ter tido relação sexual com a adolescente, mas na sua versão, o ato foi consentido.

Entrevista vítima estupro coletivo
Menor em entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, do SBT: "Quando eu acordei a luz estava acesa e tinha um montão de gente em cima" (Foto: Reprodução)

Seu advogado, Cláudio Lúcio Silva, conta que o vídeo que mostra aquelas cenas horríveis foi realizado pelo celular de Raí. Mas segundo o advogado, o autor da filmagem foi um traficante chamado Jefferson. Raí excluiu suas contas nas redes sociais. Outros quatro suspeitos tiveram sua prisão preventiva decretada.

estupro
Postagem da internet sobre o estupro (Foto: Reprodução)

Em entrevista exibida no SBT Brasil, do jornalista Roberto Cabrini, a jovem contou sobre o crime que chocou o país. Ela afirma ter contado os 33 homens e ter escutado frases como "a culpa é dela, ela que estava usando roupa curta, ela que se drogou". "Quando eu acordei a luz estava acesa e tinha um montão de gente em cima", relatou a garota.

estupro_mural_masp
Mural montado na última sexta-feira, no Masp: repúdio ao crime de estupro coletivo ocorrido no Rio (Foto: Eduardo Petrini/Framephoto/Estadão Conteúdo)

Nas redes sociais, um grupo marca uma manifestação contra o cantor Lobão após ele ter postado frases  como esta em seu Twitter: "o Brasil é um dos recordistas de prostituição infantil, temos uma cultura da erotização precoce alarmante. isso são fatos! Não é uma opinião." Grupos pedem para as pessoas deixarem de seguir Lobão e até mesmo evitar comentar e compartilhar o conteúdo que ele produz, uma forma de fazer com que suas mensagens percam força. Em São Paulo, manifestantes fizeram um ato de repúdio contra o estupro coletivo no vão livre do Masp.

Fonte: VEJA SÃO PAULO