Cidades

Tribunal de Contas aponta superfaturamento na compra de salsichas

Preço do contrato assinado pela prefeitura de São Paulo está 35,42% acima do valor médio encontrado no mercado atacadista

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Truque campeão: as salsichas passam pela grelha
Tribunal de Contas investiga valor pago por salsicha: prefeitura gastou 2,14 milhões de reais por 268 toneladas do produto (Foto: Mario Rodrigues)

O Tribunal de Contas do Município apura uma denúncia de superfaturamento na compra de merenda escolar da rede municipal de ensino. De acordo com o órgão, a Secretaria Municipal de Educação pagou por 268 toneladas de salsicha um valor 35,42% acima do encontrado no mercado.

+ Número de alunos com infecção intestinal em Santo André sobe para 51

A gestão do prefeito Fernando Haddad fechou um contrato para compra do produto com a BRF. O acordo foi alinhado em abril deste ano e custou 2,14 milhões de reais – ou 7,99 reais por quilo de salsicha. Entretanto, pesquisa realizada pelo tribunal no comércio atacadista da capital constatou que o valor médio do produto é 5,90 reais.

Policial da Rota preso por chacina em Osasco já responde a cinco processos

O levantamento foi realizado após representação do vereador Gilberto Natalini (PV). Para o levantamento, o tribunal consultou os valores dos pacotes de 2,8 quilos e 3 quilos das marcas cotadas pelo executivo municipal.

OAB exclui José Dirceu dos quadros da entidade

Antes de assinar com a BRF, a prefeitura declarou ter pesquisado preços, em abril de 2014, nas embalagens de 500 gramas. Contudo, o contrato prevê a distribuição em pacotes de 2 a 3 quilos.

Devido à diferença apresentada nos valores pela administração, o tribunal concluiu que a contratação não foi vantajosa, já que praticava preços superiores ao de mercado. O órgão também apontou erro na pesquisa em pacotes de 500 gramas e pediu esclarecimentos à prefeitura. Se houver comprovação de superfaturamento, será pedida a suspensão do contrato.

Ainda não há prazo para o desfecho do caso. O vereador Natalini entrou com representação na Justiça e pediu suspensão do acordo com a BRF.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação declarou que já foi notificada e respondeu ao Tribunal de Contas do Município em meados de julho passado. Ainda segundo a nota, “a salsicha adquirida sob Ata de Registro de Preços nº 13/SME/DAE/2014, de 6 de junho de3 2014, traz em sua especificação de compra uma limitação nos teores de sódio, gordura e conservantes, nenhum corante artificial e a obrigatoriedade de comprovação por laudos laboratoriais a cada entrega, tornando-a diferenciada das normalmente encontradas no mercado.”

+ Confira as últimas notícias da cidade

O texto ainda explica que o preço médio pesquisado à época foi de 10,98 reais. “Essas especificações não podem ser comparadas com o produto atualmente oferecido nos supermercados, que seguem outros padrões.”

Em nota, a BRF disse que usar os produtos disponíveis no mercado atacadista para fazer a comparação de preços é um “equívoco”. “A salsicha adquirida pela prefeitura atende padrões pré-estabelecidos pela equipe nutricional da Secretaria Municipal de Educação.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO