Sónar São Paulo

Chromeo faz primeira vinda "oficial" ao Brasil

Após ter tocado na cidade em 2010, em festa fechada, duo canadense é atração desta sexta (11) no festival, que ocorre no Anhembi

Por: Catarina Cicarelli

Chromeo
De volta: P-Thugg (à esq.), do duo Chromeo, quer experimentar a feijoada brasileira (Foto: Harry Peccinotti)

Em setembro de 2010, o duo canadense Chromeo veio pela primeira vez para o Brasil, mas, para eles, a visita não contou. Isso porque na ocasião fizeram apenas um show fechado, para 200 convidados. Agora, a dupla volta para uma passagem “oficial”. Eles são atração do primeiro dia do festival Sónar São Paulo, nesta sexta (11), no Anhembi.

+ Tudo sobre o Sónar São Paulo

+ Maio é o mês dos shows em São Paulo

+ Dubstep: a batida grave que conquistou as pistas

“Queremos ver nossos fãs de verdade”, afirma Patrick Gemayel (P-Thugg). Seu apelido, assim como o de David Macklovitch (Dave 1), foi inventado no colegial, quando a dupla começou a tocar em uma banda.

No palco, P-Thugg fica responsável pelos sintetizadores enquanto Dave 1 toca guitarra e canta. No som, eles mostram forte influência de funk e disco. “Gostamos de tudo que vai de 1977 a 1982”, conta Gemayel.

Assim como o álbum mais recente, “Business Casual”, lançado em 2010, eles devem relembrar no show do Sónar alguns dos maiores hits dos outros dois discos. Entre as faixas, espere por “Needy Girl” e “Hot Mess”.

Em sua última vinda, a dupla passou quatro dias na cidade. Nesse tempo, visitou lojas de instrumentos e a Galeria do Rock. “Comprei muitos discos para a minha coleção. Muitos de Tim Maia”, conta Gemayel, que se diz fã do cantor. O músico é bastante curioso em relação à música brasileira e afirma que, se tiver tempo, quer dar uma olhada nos nomes nacionais que também tocarão no Sónar.

Outro aspecto da cultura brasileira que impressionou os membros do Chromeo foi a comida. “Adorei o baião de dois”, conta Gemayel. Desta vez, além de experimentar novamente a iguaria, a dupla quer provar nossa feijoada. “Queremos comer de tudo.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO