comidinhas

Boas sobremesas para experimentar em bares

Para harmonizar com vinhos, cervejas e caipirinhas, confira uma seleção de vinte botequins que investem em doces de encher os olhos

Por: Marcus Oliveira - Atualizado em

Melograno_Panini de chocolate crocante com morango
Melograno: panini de chocolate crocante com morango harmoniza com as cervejas Porter, Staut e as Lambics Frutadas (Foto: Juliana Nogueira)

Não é apenas na ala dos salgados que os bares têm surpreendido a clientela com receitas cada vez mais elaboradas. As sobremesas também ganharam versões benfeitas, para encher os olhos dos aficionados por doces, após os petiscos e os drinques.

+ Bares incluem pratos saborosos no cardápio

Para não perder o costume, alguns botequins preparam receitas de bebidas exclusivas para harmonizar com as doçuras. VEJASAOPAULO.COM pediu indicações de harmonização entre bebidas e doces aos chefs e sommeliers de vinte casas espalhadas pela cidade. Confira as dicas:

Adega Santiago: com uma cozinha devotada a receitas ibéricas, a casa estabeleceu-se como um dos melhores bares-restaurantes da cidade. E não poderia fazer feio no menu de sobremesas. O sommelier da casa, Gustavo Cunha, indica duas combinações de doces e bebidas. A primeira fica a cargo da torta de santiago, que pode ser seguida de um vinho Moscatel de Setúbal, de Portugal. Já o pastel de nata cai muito bem com o vinho First Estate Reserve da portuguesa Taylor's.

Astor canudinhos crocantes de doce de leite
Astor: canudinhos crocantes de doce de leite (Foto: Divulgação)

Astor: um dos bares mais disputados e famosos da cidade também exibe no menu boas opções doces. Para acompanhar os apetitosos rolinhos crocantes de doce de leite, o barmen Pereira indica o manhattan feito de uísque americano e vermute tinto aromatizado com bitter. A sobremesa chega à mesa em cinco unidades e, dependendo da vontade do consumidor, pode servir duas pessoas.

Bottagallo: conta com um lindo ambiente em madeira — no melhor estilo chique causal —, além de serviço atencioso e prestativo. O doce mais apetitoso do menu, segundo os próprios frequentadores, é o merengue del giorno, que vem cremoso com sorvete de iogurte e calda de framboesa. A bebida para harmonizar com o prato é a kir royale, um creme cassis dijón mesclado com vinho espumante.

Bier Bär: todo arrumadinho, o bar reúne cerca de 150 rótulos em suas geladeiras. E são as cervejas que caem bem com a torta ganache de chocolate. A Brooklyn Chocolate Stout tem, além do que o próprio nome sugere, notas de caramelo, café e um pouco de tosta, que harmoniza bem com sobremesas que levam o ítem principal. Outra bela combinação é a que une a torta de pera quente com sorvete de creme a Saison Caipira, da mineira Walls, uma cerveja estilo Belga com cana de açúcar, que complementa muito bem com frutas amarelas e brancas.

Cervejaria Nacional: Instalado em um predinho de três andares, dá ao visitante a impressão de estar em uma fábrica, o que não deixa de ser verdade, já que o lugar produz a própria cerveja. Entre as sobremesas, a Taça Nacional preparada com sorvete de chocolate e baunilha, calda quente de chocolate, cerveja (Sa’si Stout) e farofa crocante bate uma boa bola com a Sa'Si stout - própria da casa - usada no preparo da calda. O sorvete casa bem com os tostados do malte e o amargor da cerveja. Outra dica para apreciar com o rótulo é o brownie com sorvete de cupuaçu.

Sorvete de baunilha com calda de brigadeiro_Coisa Boa
Coisa Boa: Sorvete de baunilha com calda de brigadeiro (Foto: Divulgação)

Coisa Boa: uma enorme e iluminada gôndola de supermercado domina a lateral esquerda da casa. Nela, duas centenas de rótulos estão à disposição do cliente. Para harmonizar com uma delas, a norte-americana Rogue Hazelnut Brown Nectar, a pedida é o sorvete gourmet de baunilha com calda de brigadeiro.

Charles Edward: o animado ponto no Itaim tem uma torta holandesa servida bem gelada, feita com biscoito, camada de creme e cobertura de chocolate, que pode ser apreciada depois de curtir um show de pop rock com as bandas que se apresentam por lá. Para harmonizar com a pedida, um drinque exclusivo da casa, o kackmaracujá, feito da fruta com uísque Jack Daniels e angostura, bebida típica da Venezuela.

Divine: o bar romântico e intimista que já faturou duas vezes o título de melhor lugar para ir a dois no “Comer & Beber” também investe nos doces para apetecer a clientela. A dica é o Grand Macarron sabor pistache recheado com creme de mousseline de pistache coberto com frutas vermelhas. Para combinar, a casa indica o vinho Chateau Du Levant Sauternes de Bordeaux, na França.

Donostia: Uma casa totalmente ciente de suas virtudes, decididamente inspirada em uma taberna basca. Para beber, além da obrigatória jarra de sangria, há boas opções de vinho fortificado como o D.O.Jerez, da família Pedro Ximenez, muito popular na Espanha. A sobremesa que casa perfeitamente com a bebida é o pintxo de queijo de cabra com geleia de figo.

Rabanada com nutella Eu Tu Eles
Eu Tu Eles: Rabanada com Nutella e sorvete de creme acompanhada de caipirinha de banana mel e canela (Foto: Divulgação)

Eu Tu Eles: Cravado na Faria Lima, com paredes de pau a pique e um profundo salão com o teto repleto de fitinhas do Bonfim, o bar recebe um público todo arrumadinho que sai do expediente nas imediações. A dica depois de apreciar a imperdível linguiça toscana que chega em companhia de pães e vinagrete é a rabanada com nutella e sorvete de creme, acompanhada de uma caipirinha de banana, mel e canela.

Forquilha: em Pinheiros, possui uma atmosfera chique, dedicada aos prazeres do forno à lenha. O que não poderia ser diferente na hora de preparar as sobremesa. Depois de se esbladar nos salgados como uma massa fininha de pizza torrada e recheada com queijo stracchino, coberta por fatias de presunto cru e lambuzada em redução de aceto balsâmico, prove as frutas "de lenha" servidas com mascarpone. Para acompanhar, a sugestão do proprietário é o vinho argentino Santa Julia “Tardío”, branco doce de uvas sobremaduras.

Melograno_Panini de chocolate crocante com morango
Melograno: panini de chocolate crocante com morango (Foto: Juliana Nogueira)

Melograno: dono de uma das melhores cartas de cerveja da cidade, inclusive premiado com o “Comer & Beber” na categoria, reúne cerca de 160 rótulos vindos de vários países. E não deixa de lado as bebidas que fazem par com os doces. Não deixe de provar o panini com massa levinha e crocante com recheio de Ovomaltine com morango. As cervejas mais indicadas neste caso são Porter, Staut e as Lambics Frutadas.

Original: Eleita oito vezes por tirar o melhor chope da cidade pelo “Comer & Beber”, a casa mantém a tradição e expertise na chopeira. Depois de bebericar e petiscar os irresistíveis coxinhas em versões rabada com agrião, bobó de camarão, joelho de porco com pimenta-biquinho e frango com catupiry, a sobremesa ideal é o tradicional pudim de leite da minha tia. O doce casa bem com a caipirinha rainha feita de lichia, uva isabel e maracujá.

Paribar: a casa de ambiente clássico recebe um público eclético e descolado. No cardápio, o público encontra vários pratos, que vão de massas a carnes e peixes. Na hora da sobremesa, a pedida é o creme de limão siciliano harmonizado com o drinque Vésper, que leva gim, vodca e Kina Lillet - bebida de James Bond - com Gordon’s.

Rouge Bar à Vin: Um lugar descolado, chique e sem frescuras, frequentado sobretudo por quem já passou dos 30 anos. Com 132 rótulos de vinho — 32 deles em taça — na carta, a cozinha é supervisionada pela chef-consultora Ana Soares. De lá sai o pudim na forma feito de leite e calda de caramelo ao porto e laranja. O sommelier Etevaldo Carvalho indica o rótulo espanhol Jerez Cream, de Rey Fernando de Castilla, para acompanhar.

Si-Senor-sweet-nachos-supreme
Si Señor: sweet nachos supreme (Foto: Divulgação)

Si Señor: a rede queridinha dos paulistanos que não dispensam uma comida mexicana também investe nas sobremesas. A porção sweet nachos supreme feita de nacho, chips açucarados cobertos com canela e servidos com sorvete de chocolate branco e calda de morangos flambados acompanha calda de chocolate quente e pode ser encontrada em uma das seis unidades espalhadas na cidade. Drinques como a margarita, preparada com tequila, curaçau e suco de limão e a sangria caem bem com o doce.

Taberna 474: a casa dedicada é dedicada ao comércio de vinhos e comes. Chiquinho Viana, tatuado, alargador na orelha, cara de poucos amigos, pilota os fogões e não tem descanso. É dele a receita do bolinho de chuva com doce de leite, que vai bem com o vinho Moscatel de Setúbal da Bacalhôa, de Portugal.

Tatu Bola: o teto repleto de fitinhas do Senhor do Bonfim dá uma atmosfera descontraída e festiva ao local acostumado a receber um público acima dos 30 anos. Na carta de bebidas, a grande atração são as caipirinhas, que chegam em potes de compota e são sacudidas na frente dos clientes. Prove uma delas, mas escolha o drinque Passion Martini, feito de vodca com licor de pêssego e purê de morango, extremamente gelado, para beber com a panqueca de doce de leite com sorvete de creme.

Venga!: com um salão caprichado, tem mesas altas e baixas, e um balcão com banquetas que separa a cozinha dos clientes. O menu com toques espanhois tem diversas tapas e bruschettas. Os doces seguem a mesma linha e vale a pena lambuzar as mãos com os churros acompanhados de chocolate quente. A porção serve tranquilamente duas pessoas e vem dos próprios garçons a sugestão do vinho jerez Fernando de Castilla Pedro Ximénez para acompanhar.

Fonte: VEJA SÃO PAULO