Tendência

Slow Food ganha espaço e atrai cada vez mais adeptos

Movimento gastronômico já tem cerca de 100 mil seguidores no mundo todo; Confira onde a prática é servida na cidade

Por: Daniel Ottaiano - Atualizado em

Galinha d'angola - Julia Gastronomia
Galinha d'angola com farofa de pão e berinjela, do Julia Gastronomia (Foto: Divulgação)

Se no Brasil, como os próprios adeptos dessa tendência definem, o Slow Food ainda “engatinha”, a recente visita do fundador do movimento, o jornalista italiano Carlo Petrini, ajudou a despertar a curiosidade de cada vez mais pessoas sobre a filosofia do alimento bom, limpo e justo.

Essa nova causa de sustentabilidade ganha cada vez mais seguidores, e restaurantes, na cidade.

Criado em 1989, na Itália, o movimento prega a aproximação entre o campo e a mesa nos centros urbanos, o resgate de ingredientes locais e a diminuição do ritmo de vida.

Mas não basta consumir algum produto orgânico. Para ser um seguidor do Slow Food, é preciso ter certeza sobre a procedência dos alimentos, comer de forma saudável, sem pressa, e não desperdiçar. Em São Paulo, a proposta aparece em alguns restaurantes, apesar de não receber o rótulo oficial do movimento fundado por Petrini, como acontece em outros países.

Restaurantes como o Julia Gastronomia, de Anayde Lima, e o vegetariano Apfel, da chef chilena Mylenne Signé, são comandados por participantes do Slow Food, que tentam levar às mesas produtos regionais, orgânicos e de agricultores locais. “Trabalho com pequenos produtores, conheço a procedência dos ingredientes. Não entra nada da indústria para meus cardápios”, conta Anayde Lima.

Anayde e Mylenne fazem questão de conversar com seus clientes sobre o que eles estão comendo, explicam de onde vieram os alimentos e pregam um estilo de vida mais calmo e saudável.

O chef José Barattino, do Emiliano, não participa do movimento Slow Food, mas iniciou um projeto que tem “alguns pontos que são parecidos” com o movimento italiano. Empenhado em erguer a bandeira da sustentabilidade, ele fez uma parceria com um grupo de pequenos produtores rurais, com a intenção de fortalecer a cadeia entre produto, produtor e consumidor. “Quero resolver os problemas”, diz ele sobre os consumidores que se afastaram do campo.

Seu objetivo não é promover unicamente alimentos orgânicos, mas apoiar os pequenos agricultores. Barattino diz também que planeja desenvolver novos pratos e resgatar alimentos esquecidos. “A ideia é valorizar o pequeno produtor de uma maneira geral, para a agricultura familiar não desaparecer”, explica o chef do Emiliano. “A intenção é estimular uma mudança de cultura para que as pessoas optem por tipos diferentes de certos produtos”, completa.

Alguns exemplos da prática no Julia Gastronomia são a pupunha na lenha, feita com o ingrediente entregue por uma produtora orgânica certificada, e o Steak Julia, preparado com carne monitorada, que não faz parte do desmatamento da Amazônia. No Apfel, o tofu é comprado exclusivamente de uma família de pequenos produtores. No Emiliano, os legumes e verduras em seu prato chegam de pequenos produtores agrícolas.

Confira abaixo os restaurantes que seguem a filosofia do Slow Food ou de sustentabilidade:

+ Pratique Slow Food em casa

  • Pratique Slow Food em casa

    Atualizado em: 7.Dez.2010

    Siga os preceitos do movimento italiano na sua cozinha
    Saiba mais
  • Cozinha variada

    Chácara Santa Cecília

    Rua Ferreira de Araújo, 601, Pinheiros

    12 avaliações
  • Naturais

    Apfel - Centro

    Rua Dom José de Barros, 99, Centro

    Tel: (11) 3256 7909

    VejaSP
    2 avaliações

    Uma das campanhas vegetarianas de marketing mais bem-sucedidas, a Segunda sem Carne busca convencer as pessoas a deixar de comer proteína animal pelo menos uma vez por semana. Pois aqui, ela vale todos os dias, com receitas variadas apresentadas em bufê. O preço é R$ 29,50 no centro, onde o proprietário Carlos Beutel responde pelas receitas. Nos Jardins, custa R$ 30,00 de segunda a sexta e R$ 35,00 aos sábados, domingos e feriados. Nesse endereço, quem se encarrega dos pratos é a chef chilena Mylenne Signé. Entre as especialidades aparecem sopa de abóbora bem ralinha e torta integral de brócolis, farfalle ao alho e óleo quase sem tempero. As opções se completam com arroz integral e lentilha cremosa. Para a sobremesa, aparecem de tempos em tempos a cuca de banana e a compota de goiaba com canela. Atitude simpática, a água filtrada natural ou aromatizada (com hortelã, laranja ou maçã, dependendo do dia) é cortesia.

    Preços checados em 11 de maio de 2016.

    Saiba mais
  • Naturais

    pfel - Cerqueira César

    Rua Bela Cintra, 1343, Cerqueira César

    Tel: (11) 3062 3727

    VejaSP
    3 avaliações

    Uma das campanhas vegetarianas de marketing mais bem-sucedidas, a Segunda sem Carne busca convencer as pessoas a deixar de comer proteína animal pelo menos uma vez por semana. Pois aqui, ela vale todos os dias, com receitas variadas apresentadas em bufê. O preço é R$ 29,50 no centro, onde o proprietário Carlos Beutel responde pelas receitas. Nos Jardins, custa R$ 30,00 de segunda a sexta e R$ 35,00 aos sábados, domingos e feriados. Nesse endereço, quem se encarrega dos pratos é a chef chilena Mylenne Signé. Entre as especialidades aparecem sopa de abóbora bem ralinha e torta integral de brócolis, farfalle ao alho e óleo quase sem tempero. As opções se completam com arroz integral e lentilha cremosa. Para a sobremesa, aparecem de tempos em tempos a cuca de banana e a compota de goiaba com canela. Atitude simpática, a água filtrada natural ou aromatizada (com hortelã, laranja ou maçã, dependendo do dia) é cortesia.

    Preços checados em 16 de março de 2016.

    Saiba mais
  • Italianos

    Emiliano - Restaurante

    Rua Oscar Freire, 384, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3068 4390

    VejaSP
    5 avaliações

    Como tem acontecido de tempos em tempos,o empresário Gustavo Filgueiras troca o chef para trazer um sopro de frescor ao restaurante. Quem está à frente da cozinha desde o início do ano é o italiano Andrea Montella. No cardápio lançado por ele, encontram-se o paccheri valorizado por lagostins picantes (R$ 75,00), a codorna recheada de foie gras com risoto de alecrim (R$ 92,00) e o ótimo cordeiro enrolado em massa de pão (R$ 98,00). A mais recente alteração foi nas sobremesas, que incluem agora a torta de limão com merengue e sorvete de limão com hortelã (R$ 38,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Cozinha variada

    Julia Gastronomia

    Rua Aracari, 200, Itaim Bibi

    Sem avaliação
  • Brasileiros

    Tordesilhas

    Alameda Tietê, 489, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3107 7444

    VejaSP
    9 avaliações

    Há quase três décadas Mara Salles não erra a receita. A chef e dona do Tordesilhas exibe os predicados logo na comissão de frente (R$ 42,00, para dois), uma combinação de quitutes, entre eles pastel de camarão e abobrinha-brasileira marinada. Clássico da culinária do Espírito Santo, a moqueca capixaba pode ser encontrada numa versão vegetariana de banana-da-terra (R$ 55,00). O sertão nordestino aparece na carne-seca com baião de dois, abóbora assada e vinagrete de maxixe (R$ 65,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO