Serviço

Sites do governo do estado deixam de ser atualizados por três meses

CPTM, Metrô, bombeiros e outros órgãos bloqueiam informações ao público por causa da lei eleitoral

Por: Carolina Giovanelli - Atualizado em

Site Sabesp
Página da Sabesp: poucos recursos, como informações sobre o nível das represas e canais de atendimento de emergência, seguem disponíveis (Foto: Reprodução)

Até o final do período de campanha eleitoral, que começou neste domingo (6), o governo de São Paulo deixará bloqueada e não atualizará a maior parte do conteúdo de serviços de seus sites oficiais, assim como as contas no Twitter e Facebook. A medida respeita a lei 9.504/97, que estabelece que nos três meses que antecedem as eleições - marcadas para o dia 5 de outubro - é proibido aos agentes públicos cujos cargos estejam em disputa autorizar "publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral".

+ Um balanço da gestão Haddad até agora

Como Geraldo Alckmin disputa a reeleição, seu governo não está autorizado a divulgar algumas informações para a população por seu canal oficial. Dessa forma, páginas de órgãos como Corpo de Bombeiros, CPTM, Polícia Militar, Sabesp, Secretaria de Segurança Pública e Polícia Civil foram afetadas. Algumas delas, seguem com poucos dados disponíveis.

Como alternativa para o público, a CPTM e o Metrô, por exemplo, possuem números de telefone para dúvidas e informações sobre a situação das linhas. São eles, respectivamente, 0800-055-0121 e 0800-770-7722. A Polícia Militar, que afirma que não deixará de prestar contas à imprensa, diz por meio de sua assessoria que logo liberará para o público o canal Fale Conosco. Serviços de emergência como o 190 seguem funcionando. No site da Polícia Militar ainda é possível fazer boletins de ocorrência eletrônicos e ver fotos dos criminosos mais procurados.

+ Astróloga dos famosos previu problema de saúde de Neymar

Fonte: VEJA SÃO PAULO