CRISE HÍDRICA

Três principais sistemas da Grande São Paulo registram alta

Cantareira atingiu 59,2% da capacidade; o mês de março é considerado o último do período chuvoso, que começa em outubro

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Cantareira
Represa do Jaguari, que integra o sistema Cantareira, na cidade de Jacareí; nível do três principais sistemas que abastecem a Grande São Paulo aumentou nesta quarta-feira (9)  (Foto: Nilton Cardin/Folhapress)

O nível do três principais sistemas que abastecem a Grande São Paulo aumentou nesta quarta-feira (9) de acordo com relatório divulgado pela Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). O destaque ficou com o Cantareira, que atingiu 59,2% da capacidade, 0,4 ponto porcentual a mais do que nesta terça-feira (8). Esta é a 23ª alta seguida do manancial. Os Sistemas Guarapiranga e Alto Tietê também registraram aumento do volume de água armazenada.

+ Símbolo paulistano, Teatro Municipal enfrenta crise

O porcentual do Cantareira, tradicionalmente divulgado pela companhia, considera a reserva profunda como se fosse volume útil do sistema. Sem ela, o sistema atingiu 30%, aumento de 0,5 ponto porcentual. O patamar atual é o melhor desde 22 de dezembro de 2013, quando a crise hídrica foi anunciada.

O Sistema Guarapiranga, por sua vez, melhorou seu índice pelo segundo dia consecutivo, chegando a 84,1% da capacidade, enquanto o Alto Tietê opera com 40,6%, índice que vem melhorando desde fevereiro e também considera o volume morto.

+ Manifestação pelos direitos das mulheres prejudica trânsito na Paulista

O mês de março é considerado o último do período chuvoso, que começa em outubro. Só no Cantareira, choveu 103,9 mm, 58,3% do previsto para o mês.

Outros sistemas

O Rio Claro também melhorou seu índice, chegando a 97,9%, 0,2 ponto porcentual a mais do que nas últimas 24 horas. Já os sistemas Alto Cotia e o Rio Grande tiveram queda nos índices, mas operam com 101,6% e 93,5%, respectivamente.

+ Van registrará depoimentos de mulheres assediadas

+ Confira as últimas notícias 

Fonte: VEJA SÃO PAULO