Crise hídrica

O mês de outubro foi o mais seco em 84 anos do Sistema Cantareira

Chuva na noite de ontem não aliviou a crise e há previsão de pancadas para este sábado (1º) e domingo (2)

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

seca 1
Outubro de 2014: mês mais seco da história do Sistema Cantareira (Foto: Luís Moura/Agência Estado)

O mês de outubro chegou ao fim com o título de mais seco em 84 anos do Sistema Cantareira, batendo o recorde de julho deste ano. Desde 1930, os rios que alimentam os reservatórios não registravam uma vazão tão baixa, de 4 000 litros por segundo, apenas 14,8% da média histórica mensal — que passou a ser registrada naquela década. O reservatório, que opera com a segunda cota do volume morto, tem 12,2% de sua capacidade neste sábado (1º). Na sexta (31), era de 12,4%.

+ Seca e falha de gestão causam crise de água em São Paulo

Entraram nos reservatórios somente 10,7 bilhões de litros em outubro, quando a média é de 72,5 bilhões. Em contrapartida, 60,5 bilhões de litros deixaram as represas neste mês para abastecer 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo que ainda dependem do Cantareira e mais 5,5 milhões na região de Campinas, no interior paulista. Isso significa que o déficit de água alcançou 49,8 bilhões de litros, ou 5% da capacidade do sistema.

O agravamento da seca no Cantareira em outubro frustrou a expectativa dos órgãos reguladores do manancial e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e antecipou o fim da primeira cota do volume morto. No início, os 182,5 bilhões de litros da reserva profunda das represas captados desde maio não seriam usados integralmente. Depois, projetou-se que durariam até 21 de novembro, passando ao dia 15 do próximo mês na última simulação. Agora, a previsão é de que se esgote em uma semana.

+ Sabesp amplia bônus para quem economizar água em São Paulo

+ As obras para enfrentar a estiagem de água e evitar racionamento na capital

A Sabesp usará uma segunda reserva, de 105 bilhões de litros, para manter o abastecimento na Grande São Paulo até março de 2015 sem precisar decretar racionamento oficial. As regras de uso ainda estão sendo discutidas pelos órgãos reguladores dos governos federal e paulista, embora a Sabesp já esteja captando água do segundo volume da Represa Atibainha, um dos reservatórios do Cantareira, na cidade de Nazaré Paulista.

Chuvas

Após um longo período de estiagem na capital, choveu forte na noite desta sexta (31) nos bairros de Pirituba, Freguesia do Ó e Casa Verde, na Zona Norte, e Lapa e Pinheiros, na Zona Oeste. Segundo previsão do Climatempo, volta a chover nos próximos dez dias.

Deste sábado (1º) até o dia 8 de novembro, os dias deverão ser marcados por temperaturas altas e pancadas de chuva à tarde e à noite. No domingo (9) e na segunda (10), é possível que a água chegue mais cedo com chuvas de manhã até a noite.

(Com Estação Conteúdo)

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO