Shows

Beyoncé canta para público de 50 mil pessoas no Morumbi

Diva do pop subiu ao palco com alguns minutos de atraso, após vaias do público. Antes, algumas pessoas próximas à grade passaram mal

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Depois de passar por Fortaleza, Belo Horizonte e Rio de Janeiro (no Rock in Rio), Beyoncé se apresentou em São Paulo neste domingo (15) para um público estimado em 50 000 pessoas. O show, que estava marcado para começar às 20h30, só teve início às 20h47, após alguns minutos de vaias do público. Os portões foram abertos às 16h30.

Beyoncé abriu seu espetáculo ao som (estourado) de Run The World  (Girls). Com menos de vinte minutos de show, ela já fez sua primeira troca de roupa e engatou o hit If I Were a Boy. Durante o execução de Irreplaceble, a cantora quase caiu na plateia quando um fã tentou puxá-la enquanto ela andava por uma passarela no meio do público. Seguranças foram detê-lo, mas Beyoncé disse que estava tudo bem e seguiu a apresentação. Ao fim da música, ela foi até o fã e disse "Nice to meet you" ("Prazer em conhecê-lo"). Com quase duas horas de duração, o espetáculo terminou às 22h35, embalado por Halo.

O agito nos arredores do estádio começou bem mais cedo. Por volta das 18h, um dos dançarinos do grupo ficou acenando de dentro de uma sala de vidro para quem estava na fila, próximo ao portão 17. Reconhecido pelos fãs, ele recebeu acenos e gritos. No fim da tarde, algumas pessoas passaram mal na grade que separa as pistas normal e premium, devido ao calor e a grande concentração do local, e foram atendidas pelos bombeiros ali mesmo — muitos se recusaram a perder a disputada vaga para ir até o ambulatório. O posto médico da pista premium também esteve movimentado: as principais ocorrências eram pressão baixa e falta de ar. 

Beyoncé em SP: fãs passam mal
Fãs passam mal próximo à grade (esq.) e também são atendidos no posto médico (dir.): principais ocorrências são de pressão baixa e falta de ar (Foto: Diego Maia e Meriane Morselli)

Quem quis uma vaga para estacionar próximo ao estádio desembolsou, em média, 100 reais. Dentro da arena, a camiseta oficial da turnê The Mrs. Carter Show World Tour era vendida por 60 reais, enquanto as canecas saíam por 30 reais. Da pista, era possível observar que muitos espaços ficaram vazios nas arquibancadas.

+ Bons lugares para matar a fome depois de shows na cidade

+ Conheça os cardápios de cinco casas de shows paulistanas

+ Atrações do Rock in Rio, Bruce Springsteen e John Mayer tocam em SP

Esta é a segunda vez que a cantora passa pela cidade — a primeira foi em fevereiro de 2010. Na época, ela chegou a afirmar que aquele havia sido "o maior show da história" de sua vida.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO