Crianças

Sesc Pompéia tem exposição que interage com garotada

Esculturas, pinturas e instalações de dezesseis artistas viram brinquedos

Por: Helena Galante - Atualizado em

Diversas plaquinhas e funcionários espalhados pelos museus determinam: nada de tocar nas obras. Essa proibição não vale para grande parte da mostra Arte para Crianças, cuja abertura está prometida para sexta (15). Trata-se de um belo e lúdico evento, com trabalhos de dezesseis artistas, entre eles o paulistano Nuno Ramos, o mineiro Amilcar de Castro (1920-2002), o carioca Cildo Meireles e a japonesa Yoko Ono, viúva do ex-beatle John Lennon. A maioria das peças é interativa. Outra porção é para ser vista de longe. Em comum, todas têm a preocupação de sensibilizar o público infantil, muitas vezes esquecido. "Não fiz concessões em relação à qualidade das obras", diz o curador Evandro Salles. "Vamos quebrar o preconceito de que as crianças só gostam de arte se for simples." A exposição nasceu em Vitória (ES), em 2007. Depois, passou pelo Rio de Janeiro, Pará, Maranhão e Distrito Federal. Termina com a temporada paulistana.

Por aqui, ocupa um espaço de 1 200 metros quadrados na Área de Convivência do Sesc Pompeia. Para fugir de qualquer caráter didático, não há dados biográficos dos autores nem um percurso de visitação definido. A garotada e os adultos escolhem por onde começar. No centro do complexo ficam as salas dedicadas aos vídeos. Haverá a exibição de uma animação baseada na obra do russo El Lissitzky, discípulo do ucraniano Kasimir Malevich, e outra inspirada em poemas de Manoel de Barros. De grandes proporções (são 11 metros de comprimento por 4,7 metros de altura), a escultura Uni Verso Bebê II Lab, de Ernesto Neto, promete roubar a atenção. De fora, parece uma caixa branca. Por dentro, lembra uma piscina de bolinhas, iluminada por luzes vermelhas e verdes. "As crianças ficam animadas e alguns adultos, mais introspectivos. Cada um sai com uma impressão", conta Neto. "Acho maravilhoso as pessoas poderem perceber a escultura com auxílio das mãos, não só dos olhos." Intitulado La Bruja, o trabalho de Cildo Meireles é composto de 1?560 fios de algodão tingidos de preto, como as fibras de uma vassoura gigante. Também impressionam as 140 esculturinhas de Amilcar de Castro, feitas de chapas de aço dobradas. Em uma mesa ao lado, a meninada pode pegar papel e tesoura para fazer suas próprias obras. Os famosos mosaicos de azulejo de Athos Bulcão (1918-2008) são refeitos pelos pequenos em uma parede imantada. Eles mudam a posição das serigrafias em preto e branco e compõem novos desenhos. E depois do passeio as crianças gostam mais de pinturas, gravuras e esculturas? Sem dúvida, além de passarem a achar que instalações podem ser uma ótima diversão.

Arte para Crianças. Área de Convivência do Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93, Pompeia, Tel. 3871-7700. Terça a sábado, 10h às 21h; domingo e feriados, 10h às 20h. Grátis. Até 2 de agosto. A partir de sexta (15).

Fonte: VEJA SÃO PAULO