CIDADE

Servidores municipais planejam parar nesta quarta-feira (28)

Funcionários da Cultura, Habitação, Assitência Social e do serviço funerário pretendem cruzar os braços para cobrar melhoria salarial

Por: Ricardo Rossetto

Ato Professores
Professores e servidores municipais fazem ato em frente à prefeitura de São Paulo (Foto: Sigmapress/Folhapress)

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Paulo (Sindsep) decidiu pela paralisação da categoria a partir desta quarta-feira (28), por tempo indeterminado. A convocação aconteceu durante assembleia com representantes de todas as categorias na frente da prefeitura, ao mesmo tempo em que acontecia o protesto dos professores na tarde desta terça-feira (27).

A adesão à greve, contudo, será avaliada pelos dirigentes sindicais durante o decorrer do dia. No total, a cidade de São Paulo tem 212 mil funcionários públicos, sendo 155 mil ativos. Funcionários das secretarias da Coordenação das Subprefeituras, da Assistência Social, da Cultura, do Esporte, do Verde e Meio Ambiente, da Habitação, do serviço funerário e técnicos do centro de controle de zoonoses (que fazem o serviço de eliminação dos focos de dengue em toda a capital, por exemplo) estejam de braços cruzados a partir de amanhã.

De acordo com o presidente do Sindsep, Sérgio Ricardo Antiqueira, os servidores querem a reposição das perdas salariais devido à inflação com a aplicação imediata de 11,43% de correção no valor salarial. Além disso, pedem a mudança da Lei Salarial, que limita em 40% o orçamento total do município para gastos com o funcionalismo, e a ampliação dos efetivos técnicos nas diversas unidades da prefeitura com concurso público inclusive para quadros administrativos e de apoio. O primeiro protesto dos servidores está marcado para as 14h do dia 3 de junho, no Viaduto do Chá.

“Nos últimos dez anos, a receita do município cresceu 250% e o reajuste ao funcionalismo público foi de apenas 3,54%. O prefeito [Fernando] Haddad se comprometeu durante a campanha eleitoral a revisar a Lei Salarial, mas até agora nada foi efetivamente modificado”, reclama Sérgio. “Não podemos esperar benevolências. Se o serviço público está ruim na cidade, é reflexo desse descaso com o funcionalismo público”.

Atualmente, um salário de nível básico a um servidor municipal é de 755 reais. Já para o nível superior, a renda aumenta para 1 800 reais. Em 2014, a Prefeitura de São Paulo possui uma receita total de quase 51 bilhões de reais. Desse montante, 20 bilhões (40%) é usado apenas para manter os gastos com pessoal e funcionamento e manutenção das repartições públicas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO