Restaurante

Serafina é 1ª filial brasileira de rede americana com cardápio italiano

O cardápio lembra o de cantinas paulistanas, embora as receitas tenham um acabamento um pouco melhor

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

Serafina_2185
Ambiente concorrido: para quem não chega cedo ou faz reserva, a espera pode ultrapassar uma hora (Foto: Mario Rodrigues)

Sucesso instantâneo, o novato Serafina descende de uma rede de menu italiano iniciada em Nova York quinze anos atrás. É a primeira filial fora dos Estados Unidos a ostentar a grife. Lugar da moda, a trattoria recebe um público empolgado por badalação. Nos fins de semana, por exemplo, a clientela que chega tarde parece nem se incomodar em ficar na fila por mais de uma hora.

O cardápio lembra o de cantinas paulistanas, embora as receitas tenham um acabamento um pouco melhor. Dos itens provados, os resultados oscilaram. Um dos hits da casa, o tris di sofia (R$ 38,00) reúne três massas frescas em pequenas porções. Duas delas são caprichadas: o nhoque ao pesto e o ravióli de espinafre com ricota em manteiga e sálvia. Só destoou o paglia e fieno, na forma de talharim cozido demais, impossível de enrolar, pois arrebentava ao toque do garfo. Elaborada com matéria-prima de qualidade, a costeleta de cordeiro (R$ 56,00) estava sem sal, tropeço não muito difícil de corrigir. Entre as opções certeiras encontram-se a deliciosa focaccia serafina (casquinha crocante recheada de queijo cremoso robiola, rúcula e bacon; R$ 35,00) e o carpaccio de atum guarnecido de rúcula, molho de raiz-forte e shoyu (R$ 31,00).

Serafina - massas_2185
O trio de massas: R$ 38,00 (Foto: Mario Rodrigues)

No arremate, vá de torta de maçã verde escoltada por sorvete de canela (R$ 17,00). Mas, até a sobremesa, prepare-se para enfrentar um serviço bastante moroso. Da carta de vinhos, o leve tinto californiano Redtree Pinot Noir 2009 (R$ 72,00) pode funcionar como um curinga.

Fonte: VEJA SÃO PAULO