Crônica

Seja homem

Por: Ivan Angelo

Crônica "Seja homem" - Ivan Angelo 2228
(Foto: Veja São Paulo)

Não ganhei flores no Dia Nacional do Homem. O dia terminou sem que me desse conta de que ele havia sido um pouco meu, e só no fim da noite soube por um noticiário da televisão que a data fora comemorada no metrô da Sé com exames gratuitos de glicemia, medição da pressão arterial e da circunferência abdominal dos homens.

Amigos, consideremos os fatos. Se eu tivesse sabido da data, teria passado durante o dia pelas femininas pessoas com um olhar pedinte: como é, nem um sorriso solidário? Não se toca no assunto? Não mereço uma cervejinha? Teria comparado, com umas sombras de inveja: no dia delas telefono, mando e-mails, distribuo uns beijinhos de simpatia, às vezes mando flores, quando suspeito que alguma dama anda precisada. Não sabendo eu de nada, nem elas, nem eles, pude passear pelas ruas ignorante e digno como se não fosse o Dia Nacional do Homem.

+ Ivan Angelo: "Perna de homem"

+ Tudo sobre Capitão América e outros heróis das HQs

Companheiros, não vamos cair na armadilha das queixas. A verdade é que a data não entrou ainda no sistema do consumo, por isso não aparece nas vitrines nem na mídia. Não vamos levar essa indiferença para o lado pessoal.

Andei perguntando, no dia seguinte, aqui e ali, se alguém sabia dessa comemoração. Ninguém sabia, nem homem, nem mulher; a homenagem, no geral, revelou-se quase secreta. Quanto à medição da circunferência abdominal, olha, melhor mesmo que fique assim, entre discreta e secreta. A fita métrica não foi feita para humilhar ninguém.

Já vão me acusar de não entender o espírito da coisa. Percebo, sim, a preocupação com a saúde, mas, me desculpem, no dia da mulher não tem fita métrica. Caros, caríssimos, atenção. Fiquei sabendo que um dos objetivos desse dia é promover a igualdade entre gêneros.

+ Falta homem no Jardim Paulista

+ Ivan Angelo: "Todo dia é dia"

Se ainda não perceberam, algumas das antigas ditas qualidades masculinas estão em baixa no mercado: autonomia, agressividade, independência, força de vontade, racionalidade — que podem ser interpretadas como dificuldade para trabalhar em grupo, teimosia, arrogância, insensibilidade — e estão em alta a flexibilidade, a adaptabilidade, a observação, a emoção, qualidades ditas femininas. É bom haver um dia para pensarmos nisso, pensarmos em não esconder nossas emoções, como qualquer mulher, qualquer criança, qualquer gente boa.

Outro objetivo, caros e caras, é melhorar a relação entre gêneros. A velha agressividade já não tem abrigo, nem na lei nem nas famílias. O machão, o grito, a ira, a vítima sem saída, a impossibilidade de mudança, a opressão, o faço e aconteço são aberrações. É verdade que tudo isso floresce como se fosse norma geral nas telenovelas mais tardias, mas o que seria destas sem aquelas aberrações, alimentando-se mutuamente?

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

Na busca de informações, fiquei sabendo que existe, além do Dia Nacional do Homem, 15 de julho, um Dia Internacional do Homem, 19 de novembro, e que o Brasil é um dos 43 países que o adotam. Olhem só: eu, que achava que só havia o Dia Internacional da Mulher, de uma semana para outra fico sabendo que existem dois dias do homem. Ambos, sem nenhuma repercussão, sem vitrines gulosas do comércio, sem e-mails graciosos, sem beijinhos, mas com fita métrica. Impossível não comparar. Somos desimportantes, é isso?

Se acontecer de novo essa indiferença, recomendo com certo ar passadista: seja homem, levante a cabeça, não ligue para isso.

Fonte: VEJA SÃO PAULO