saúde

Segundo exame em paciente com suspeita de ebola dá negativo

Vindo de Guiné, Souleymane Bah chegou ao Brasil no dia 19 de setembro com quadro de febre, dor de garganta e tosse

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Ebola
Paciente com suspeita de ebola chegou ao Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (10) (Foto: José Lucena/Futura Press/Folhapress)

O Ministério da Saúde confirmou nesta segunda-feira (11) que o africano Souleymane Bah não está com o vírus ebola. O resultado da contra prova foi apresentado agora e é negativo. De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a suspeita está descartada.

+ Exame de suspeito de ebola dá negativo

Vindo da Guiné, um dos países com mais casos registrados da doença, o africano, de 47 anos, desembarcou no Aeroporto de Guarulhos no dia 19 de setembro e seguiu para o interior do Paraná. Na última quinta-feira (9), o homem deu entrada na Unidade Básica de Saúde de Cascavel (PR), com um quadro de febre, dor de garganta e tosse.  Ele não tinha sinais de diarreia ou erupções no corpo, sintomas comuns da doença. O ebola permanece em período de incubação por 21 dias. Como o paciente se apresentou no posto médico em seu vigésimo dia no Brasil, foi internado e isolado.

+ Hospital tem 17 leitos isolados para pacientes com suspeita de ebola

Logo que o caso passou a ser tratado como suspeito, o homem foi transferido em um avião da Força Aérea Brasileira para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro, que é referência no país em doenças infecciosas. A amostra do sangue do paciente foi enviada para análise laboratorial no Instituto Evandro Chagas, no Pará, que pertence à Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde. Equipes de investigação continuam monitorando as 64 pessoas que podem ter entrado em contato com o paciente até o término dos testes.

Ebola

O mundo vive hoje a pior epidemia de ebola da história. Foram registrados 8 011 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, com 3 857 mortes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. Nigéria, Senegal e Estados Unidos e Espanha apresentaram transmissões localizadas. Juntos, foram contabilizados nestes países 21 pacientes com a doença e 8 mortes.

+ Cachorro de enfermeira infectada com ebola é sacrificado na Espanha

Transmitida por um vírus, a doença é fatal em cerca 65% dos casos. A infecção ocorre por meio do contato com sangue, fluidos corporais da pessoa infectada ou do animal doente, como macacos, capivaras e porcos-espinhos. Ao contrário de outras doenças, no entanto, a transmissão ocorre quando o paciente já apresenta os sintomas da infecção. Os principais são febre, fraqueza, dores abdominais, vômito e hemorragias. A incubação - período entre o contágio e a manifestação dos primeiros sintomas - pode variar entre 2 a 21 dias. Não há remédio específico para o ebola.

Em agosto, o Centro de Operações de Emergência em Saúde do Governo Federal acionou o nível dois de emergência, o penúltimo na escala de gravidade, que permite o deslocamento de equipes federais para regiões com suspeita da doença no país sem a necessidade de autorização dos governos locais.

Desde que a Organização Mundial de Saúde decretou emergência, o Brasil adotou um conjunto de medidas para prevenir a transmissão e permitir a rápida identificação de um caso suspeito da doença, com isolamento e tratamento.

O grupo Executivo Interministerial para Emergências em Saúde Pública foi convocado. Além disso, videoconferências semanais com todos os estados são realizadas. Simulações também foram feitas em hospitais de referência e em aeroportos.

+  Confira as últimas notícias

De acordo com o plano traçado, casos suspeitos devem ser encaminhados para hospitais de referência. Essas unidades de saúde, no entanto, fazem apenas a primeira triagem. Casos confirmados, de acordo com a estratégia, devem ser enviados para dois hospitais: Instituto Nacional de Infectologia, no Rio, e Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, onde os pacientes ficam internados. O teste de diagnóstico para comprovação da infecção é feito no Instituto Evandro Chagas. (Com informações do Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO