Abastecimento

Seca afeta 6 milhões de pessoas no interior do estado

A falta de água causa doenças, prejuízo de 200 milhões de reais e saques nas regiões Norte e Nordeste de São Paulo

Por: Ana Carolina Soares

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Ruas sujas e empoeiradas, banhos diários de caneca, prejuízo no comércio, surto de doenças e ânimos inflamados. Eis a rotina de aproximadamente 6 milhões de moradores do grupo de 37 municípios no interior mais afetados pela seca. As prefeituras de Tambaú e Cordeirópolis decretaram estado de calamidade pública, que caracteriza desastres de grande porte responsáveis por esgotar os recursos da administração local. Artur Nogueira, Casa Branca e Valinhos estão em situação de emergência, um estágio mais brando diante de uma fatalidade. Na prática, funciona como um aviso de alerta à população. Em Itu, outra cidade bastante atingida, ocorrem cenas dignas dos filmes apocalípticos de Hollywood sobre o esgotamento de recursos naturais. No local, os caminhões-pipa passaram a receber escolta da polícia depois da ocorrência de assaltos.

+ Fotos mostram a diferença do Sistema Cantareira em seis meses

Localizada no nordeste paulista e distante 270 quilômetros da capital, Tambaú é uma das cidades que mais sofrem com a estiagem. Seus 23 500 moradores enfrentam um surto de dengue e virose porque muita gente, na afobação, tem estocado água de qualquer jeito. Em abril, começou o racionamento. No início,o fornecimento ocorria dia sim, dia não. Há três meses, a política ficou mais severa. Agora, as torneiras permanecem vazias durante 48 horas e são abastecidas por dezessete. Segundo a Associação Industrial e Comercial de Tambaú, a cidade acumula um prejuízo de mais de 4 milhões de reais. “Falta água para produzir cerâmica, o principal item da economia do nosso município. As empresas acabam demitindo funcionários, e isso gera recessão”, diz Marcos Stocco, presidente da entidade. A cidade tem 65 fábricas nesse setor e, segundo dados do sindicato dos trabalhadores da categoria no local, cerca de 25% dos 4 000 empregados foram demitidos neste ano.

+ Seca prejudica colheita de arroz, feijão e cebola em São Paulo

A região é abastecida por duas represas. Uma delas secou completamente em julho e a outra só não tem o mesmo destino porque diariamente caminhões-pipa enchem o local com água do Rio Macuco, manobra custeada com parte da ajuda de 2 milhões de reais recebida do governo do estado. Mas, para resolver o transtorno de vez, as autoridades estimam um investimento de 15 milhões de reais para reformar o encanamento de Tambaú, datado de 1930 e administrado pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto (Demaet), que teve poucos investimentos ao longo das últimas décadas. “O problema não começou agora, mas a população não entende. Sou xingado nas ruas, furaramos pneus do meu carro e houve manifestação na frente da minha casa”, reclama o prefeito Roni Donizetti Astorfo. A exemplo de seus conterrâneos, ele garante ter mudado a rotina para economizar. “Desde agosto, só me lavo de caneca e reutilizo a água do banho para dar descarga”, conta. “Também faço a barba dia sim, dia não.”

+ Paulistanos de alguns bairros reclamam de falta de água

Além dessas medidas práticas, Astorfo,que vem de uma família bastante religiosa, apela para outras forças. Tem andado com um tercinho enrolado no pulso esquerdo e pede orações à população. O segundo nome do prefeito foi escolhido por seus pais para homenagear o padre Donizetti (1882-1961), padroeiro da cidade, que está com um processo de beatificação no Vaticano. “Só Deus mesmo para ajudar a gente”, desabafa Maria Eni Tezzei da Silva, aposentada de 71 anos,moradora da Vila Padre Donizetti, um dos bairros mais prejudicados. O local chega a ficar uma semana sem água. Desde julho, Eni lidera uma novena para chamar a atenção de São Pedro. Todo fim de tarde, um grupo de aproximadamente dez fiéis se reúne aos pés do cruzeiro da paróquia São Sebastião, reza o terço e lê o capítulo Em Tempos de Calamidade e Atribulação do livro Manual de Nossa Senhora Aparecida. Para finalizar o ritual, cada pessoa joga um copo de água na cruz. “Quando chegou a Tambaú, em 1926, o padre Donizetti também sofreu com uma estiagem semelhante e, após uma novena, choveu e tudo se recuperou”,explica Anderson Godoi de Oliveira, pároco do Santuário Nossa Senhora Aparecida. Apesar de manter a fé, ele acredita que a seca só vai acabar quando as pessoas aprenderem a lidar com o meio ambiente. A exemplo de Tambaú, boa parte das cidades castigadas fica nas regiões norte e nordeste de São Paulo. Muitas delas são abastecidas por nascentes, que secam mais rápido com uma estiagem, devido ao volume menor de água. “As consequências foram bem graves, e esses locais vão levar aproximadamente uma década para se recuperar”, afirma Hiroshi Paulo Yoshizane, professor de topografia, hidrologia e solos da faculdadede tecnologia da Universidade Estadualde Campinas (Unicamp). Outro complicador é o mau planejamento urbano. A Sabesp cuida do abastecimento de água da região metropolitana e de apenas algumas cidades do interior. No restante dos casos, o assunto fica a cargo das prefeituras. Poucas se planejaram para uma crise tão grave.

+ Seca e falha de gestão causam crise de água em São Paulo

As consequências desses erros são enormes. Desde maio, a hidrovia Tietê-Paraná está paralisada, o que afeta diretamente os municípios de Barra Bonita, Pederneiras, Araçatuba, Jaú, Santa Maria da Serra, Anhembi e Conchas. O prejuízo estimado pelo Departamento Hidroviário do Estado é de cerca de 200 milhões de reais no período. Em Socorro, o abastecimento continua normal, mas há quatro meses o baixo nível do Rio do Peixe impede o rafting, a principal atividade turística da região. “Passamosa investir em cavalgadas e water trekking, que são as caminhadas pelo leito”, diz Juneca Ramalho. Há treze anos à frente da Rios de Aventura, ele estima um prejuízo mensal de 30% coma interrupção do rafting. Em junho, a Bacia do Cascalho, que abastece Cordeirópolis, começou a baixar até 5 centímetros por dia. O prefeito Amarildo Zorzo decretou calamidade pública e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Cordeirópolis (Saae) passou a captar água em quatro cavas de mineradoras desativadas quando a represa atingiu 30% da capacidade. “Parece muito, mas não é”, afirma Zorzo. “A cidade poderia se desabastecer, precisava de obras emergenciais e, com a decretação da calamidade pública, obtive respaldo jurídico para não realizar licitações, processo que levaria meses”, explica. Em novembro, o prefeito vai tentar renovar a medida até maio de 2015. A cidade recebe água a cada 24 horas e, como ocorre na maioria dos locais afetados pela seca, por lá é proibido lavar carro, calçada e quintal, sob pena de multa de 500 reais. A população tem se adaptado. “Nos dias do rodízio, as crianças não tomam banho aqui”, conta Gisele Cicolin, diretora da creche municipal.

+ Prefeitura vai abrir 32 poços artesianos em São Paulo

Em Itu, o clima é de guerra. Desde o fim de setembro, pelo menos uma vez por semana há uma manifestação. Nas mais recentes ocorreram os assaltos aos caminhões-pipa. A população, que já jogou ovos, tomates e pedras na Câmara Municipal, exige a declaração de estado de calamidade pública e questiona com uma ação popular a licitação que contratou a empresa Águas de Itu, concessionária que administra o recurso no município desde 2006. De acordo com a companhia, as represas estão com aproximadamente 4% de sua capacidade e o rodízio ocorre a cada 24 horas. “Não faz sentido a prefeitura declarar calamidade se ainda há água e os investimentos são realizados pela concessionária”, argumenta Marco Antonio Augusto, responsável pela defesa civil municipal. Segundo ele, 34 caminhões-pipa vêm enchendo os reservatórios das casas nos dezessete bairros altos, que registraram desabastecimento por mais de uma semana. Devido às queixas, até novembro uma nova empresa, a Águas do Brasil, assumirá o controle do fornecimento de água para a cidade, e promete finalizar uma obra de transposição das águas do Ribeirão Mombaça para a Estação de Tratamento de Água Rancho Grande, ao custo de 30 milhões de reais. O problema é que tudo ficará pronto em 2015, na melhor das hipóteses. “Minhas torneiras estão secas e, apesar disso, o valor da conta aumentou”, reclama Junior Pereira, que há quinze anos é dono da Padaria Cidade Nova, no bairro de mesmo nome, um dos mais afetados. Ele proíbe seus clientes de usar o banheiro, teme os saques que ocorreram no comércio por ali, compra galões de água mineral para fazer pão e acumula um prejuízo mensal de 20% no faturamento.“Pode não ser calamidade pública, mas é o inferno”, define.

+ Confira as principais notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO