Crise hídrica

Maior sauna gay da capital dribla falta d'água com caminhão-pipa

De acordo com o proprietário, problema no abastecimento começou em julho e dura até três horas por dia

Por: Vinicius Tamamoto

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Até a maior sauna gay da capital, a Chilli Pepper Single Hotel, localizada no Largo do Arouche, no centro, anda sofrendo com a falta d´água. Segundo o proprietário, o empresário Douglas Drumond, as torneiras secam todo dia por volta das 12h e o abastecimento só é normalizado após as 15h.

+ Paulistanos mudam rotina para driblar a falta de água

+ Especialista ensina a fazer reuso de água em tempos de crise

Para amenizar o problema, o local está contratando caminhões-pipa. "Antes a gente pagava 9 reais, o metro cúbico. Agora, o preço subiu para 9,50 reais", diz Drumond, que gasta cerca de 18 000 reais por mês com água, entre a conta da Sabesp e a contratação do recurso extra. "O grande problema é a logística que um caminhão-pipa demanda, causa muitos transtornos, a vizinhança reclama do barulho", diz.

A casa, que possui três piscinas, quatro jacuzzis e trinta chuveiros em seus 2 300 metros quadrados, já deixou os clientes sem água por três vezes desde julho, segundo o empresário. Além de reutilizar água da chuva e dos chuveiros para lavar a calçada, há uma campanha interna para conscientizar clientes e funcionários.

+ O drama da crise hídrica em São Paulo

De acordo com a Sabesp, que afirmou à reportagem ter enviado uma equipe ao local para averiguação, não há corte de água no estabelecimento. Por meio de sua assessoria de imprensa, o órgão diz que há possíveis hipóteses para o ocorrido, como furto específico de água, por exemplo. "Trabalho no ramo há oito anos e nunca passei por algo semelhante", afirma Drumond.

 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO