Saúde

São Paulo terá tendas para atender pessoas com suspeita de dengue

Primeiras inaugurações serão amanhã em Lageado e Cangaíba, bairros da Zona Leste com alto número de casos da doença

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Agentes no combate à dengue
Agentes da prefeitura trabalham no combate à dengue (Foto: Moacyr Lopes Júnior)

A prefeitura de São Paulo vai montar tendas para atender pacientes com suspeita de dengue na capital. As primeiras serão inauguradas nesta quarta (24) em Lajeado e Cangaíba, na Zona Leste da capital, bairros que concentram um grande número de casos da doença na cidade. 

+ Saiba quais barros têm maior incidência de dengue na capital

No mês de janeiro, foram notificados 5 877 casos de dengue e 827 foram confirmados em São Paulo. No mesmo período do ano passado, foram 2 406 registros e 710 confirmações. Lideram o ranking os bairros de Lajeado (68 casos), Penha (35 casos), Jardim São Luís e Parque do Carmo (24 casos) e Itaquera (23 casos). Exceto o Jardim São Luís, localizado na Zona Sul, todos os demais distritos ficam na Zona Leste.

Está prevista a instalação de ao menos 14 tendas na cidade. Todas terão capacidade para atender 150 pessoas por dia e vão funcionar das 8 horas às 18 horas. No local, os pacientes serão avaliados e receberão hidratação.

+ Teste do zika deverá ser obrigatório em grávidas

"A população está mais preocupada e atenta não só com os quadros de dengue, mas com relação ao zika vírus e ao chikungunya. A nossa população procura mais as unidades de saúde. Como a prefeitura colocou o teste rápido em todas as unidades e orientou os profissionais, tem uma procura maior, o que aumenta a notificação", disse o secretário municipal de Saúde, Alexandre Padilha.

Zika

Até o momento, nenhum caso autóctone do vírus zika foi registrado na capital. Há 47 notificações, com quatro casos importados, três de pessoas de outros municípios atendidas na capital e três descartados. Os demais estão em investigação.

+ Fiocruz apura se zika pode ser transmitido por pernilongo

O número de casos de microcefalia com possível relação com o vírus continua em seis, dos quais três foram de gestantes que vieram do Nordeste. De febre chikungunya, há dois casos autóctones confirmados. Foram dois idosos moradores do Sacomã, na zona sul.

Fonte: VEJA SÃO PAULO