Saúde

Surge a primeira suspeita de transmissão do zika em São Paulo

Criança nasceu em uma maternidade de Guarulhos com microencefalia. É o primeiro caso suspeito na cidade em que a mulher não viajou ao Nordeste

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Aedes_aegypti - dengue
Transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti, mesmo vetor da dengue e da febre chikungunya, o vírus zika causa sintomas muito parecidos com os dessas doenças mais conhecidas. (Foto: Muhammad Mahdi Karim/ Wikicommons)

O Estado de São Paulo registrou o primeiro caso suspeito de microcefalia relacionado ao zika cuja transmissão do vírus teria ocorrido dentro do território paulista. A suspeita surgiu porque a gestante não tem histórico de viagem para o Nordeste ou outros Estados atingidos pela doença. Todos os outros casos suspeitos até agora envolveram viagens fora do Estado.

IMPORTANTE: saiba aqui como escolher o repelente ideal contra o mosquito transmissor da zika

+Tudo que você precisa saber sobre o vírus zika e a microcefalia

A criança nasceu há cerca de um mês em uma maternidade de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, com perímetro cefálico de cerca de 28 centímetros. O bebê foi posteriormente avaliado por uma equipe do Hospital São Paulo, vinculado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que verificou indícios de microcefalia relacionada ao zika. "No caso da infecção pelo vírus, além do perímetro cefálico reduzido, temos diversas calcificações e uma superfície cerebral mais lisa, e o padrão de imagem do cérebro dessa criança é muito compatível com esse quadro. É um caso de microcefalia com alta probabilidade de ter relação com o zika", diz Marcelo Masruha, médico do setor de neurologia infantil da Unifesp e um dos profissionais que examinaram a criança.

+ Morre Marília Pêra

Masruha afirma que a mãe do bebê relatou ter tido, no primeiro trimestre da gravidez, sintomas de zika, como febre e manchas pelo corpo. "Soubemos que o hospital em Guarulhos notificou o caso de microcefalia à vigilância epidemiológica e, quando a criança chegou até nós, no dia 24 de novembro, fizemos uma nova notificação pelo Hospital São Paulo. Não entendo por que esse caso ainda não entrou para as estatísticas do Ministério da Saúde", observa o médico, que também é presidente da Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil.

+ Morte de menina sufocada com saco plástico intriga polícia

No último boletim epidemiológico de microcefalia, divulgado pelo ministério na terça-feira, não havia casos suspeitos do problema no estado de São Paulo. A Secretaria Municipal de Saúde de Guarulhos confirmou o registro de um caso de microcefalia, mas afirmou que ainda não é possível confirmar se há relação com o zika vírus. Já o Ministério da Saúde afirmou que recebe as notificações por meio das secretarias estaduais e, até o fechamento do último boletim, no dia 28 de novembro, não havia recebido nenhum caso de São Paulo. A secretaria estadual, por sua vez, informou que só trabalha com casos confirmados.

Antes desse relato, o Estado só apresentou casos de microcefalia associados ao zika em bebês cujas mães passaram parte da gravidez em cidades nordestinas. Foram dois casos do tipo na capital paulista. Uma das gestantes engravidou em Pernambuco e lá ficou durante os primeiros meses da gestação. A segunda chegou da Paraíba.

Segundo Masruha, há um terceiro caso suspeito na capital, de uma gestante que passou pelo Rio Grande do Norte. A criança nasceu com perímetro cefálico de 26 centímetros.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, o governo vai criar um comitê composto por onze secretarias estaduais para definir um plano de enfrentamento conjunto à dengue e ao zika vírus. Uma das propostas que serão feitas pelo secretário estadual da Saúde, David Uip, será engajar policiais militares e agentes da Defesa Civil no combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti.

"Será um comitê para combater todas as arboviroses. O plano já foi apresentado ao governador (Geraldo Alckmin) e ele autorizou as macrodecisões. Agora, com a participação de todas as secretarias, vamos definir estratégias detalhadas. Queremos uma força-tarefa com a Segurança Pública e com a Defesa Civil para extermínio do mosquito", diz Uip.

Participarão do comitê, além da Saúde e da Segurança Pública, as secretarias do Meio Ambiente, Planejamento e Gestão, Fazenda, Direitos da Pessoa com Deficiência, Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Social, Casa Militar, Casa Civil e Governo.A Defesa Civil do Estado disse que ainda não foi comunicada sobre este comitê, mas que mobilizará as defesas civis municipais "a se engajarem na campanha" e, se necessário, auxiliará nas vistorias de locais que possam servir de criadouros".

 

Emergência

Nesta sexta-feira (4), o governo da Paraíba decretou emergência por causa do vírus. O mesmo já foi feito por Pernambuco e Rio Grande do Norte. Em todo o país, já foram notificados 1.248 casos de microcefalia com suspeita de relação com o zika vírus. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

+ Confira as últimas notícias

Fonte: VEJA SÃO PAULO