Transportes

São Paulo gasta 369 milhões de reais com saídas de ônibus não realizadas

Auditoria mostra que desrespeito às partidas causa superlotação e lentidão do sistema

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Terminal Pinheiros
Terminal de Pinheiros: descumprimento de partidas causa prejuízo aos cofres públicos (Foto: Fernando Moraes)

A prefeitura de São Paulo paga 369,3 milhões de reais ao ano por partidas de ônibus e vans não realizadas. Auditoria da Ernst&Young no sistema de remuneração do transporte mostra que 10,5% das saídas diárias não são cumpridas. Segundo o relatório, o município cobre "vantagens indevidas" da ordem de mais de 1 milhão de reais diariamente para empresas e cooperativas. O desrespeito às partidas programadas ainda pode levar à superlotação e à lentidão.

Haddad discute aumento na tarifa de ônibus para 2015

Nesta quinta-feira (4), a prefeitura, que contratou no ano passado a verificação externa, publica no site da São Paulo Transporte (SPTrans) a segunda leva de informações analisadas. Os auditores concluíram que o descumprimento das partidas levaria a uma redução mensal dos custos fixos das empresas e cooperativas de 30.779.467 reais, trazendo potenciais ganhos financeiros.

Os dados foram coletados ao longo de uma semana do ano passado em que não houve problemas climáticos, como chuvas e inundações, manifestações de rua, feriados ou fatores que poderiam influenciar na tabulação. Diante dos resultados, os auditores fizeram sugestões para garantir o serviço. No futuro, a Prefeitura pode adotar uma forma eletrônica de medição das saídas.

+ Confira as últimas notícias

Atualmente, a fiscalização é feita in loco pelos agentes da SPTrans, o que dificulta a constatação de eventuais descumprimentos contratuais. Questionada à noite, a empresa informou que não tinha o número médio de partidas e acrescentou que 10 milhões de embarques são realizados diariamente.

Redesenho

De posse da auditoria, a gestão Fernando Haddad (PT) vai redesenhar o modelo de contrato com as empresas e cooperativas. A nova licitação bilionária para o serviço será publicada no primeiro semestre de 2015. A expectativa é de que as considerações finais sejam entregues na semana que vem. E também deem base à análise de um aumento na tarifa de ônibus - prefeitos petistas da Grande São Paulo já chegaram a sugerir uma tarifa única, entre 3,40 e 3,50 reais.

(Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO