Meteorologia

Morador de rua morre em madrugada mais fria do ano

Termômetros chegaram a 2,4°C em Parelheiros, na Zona Sul, e 3,3ºC em São Mateus, na Zona Leste, segundo o CGE

Por: Veja São Paulo

Frio
Frio na madrugada chegou a 2,4ºC em Parelheiros (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

Na madrugada mais fria dos últimos cinco anos, um morador de rua morreu de frio na rampa de acesso à estação Metrô Belém, na zona leste de São Paulo, nesta sexta (10). João Carlos Rodrigues, que não teve a idade informada, não tinha sinais de violência pelo corpo e foi encontrado pelos seguranças do metrô.

+ São Paulo pode ter temperatura mais baixa em 22 anos

Na madrugada desta sexta, a temperatura média na cidade foi de 5 ºC. Em Parelheiros, no extremo sul da capital, os termômetros bateram 2,4ºC e em São Mateus, na Zona Leste, 3,3ºC. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências, a última vez em que a capital teve temperaturas baixas como essas foi em 28 de junho de 2011, com mínimas que oscilaram em torno dos 4,6ºC.

A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social do município informou que Rodrigues não teve nenhuma passagem pelos centros de acolhida de São Paulo.

+ Feira das Malhas tem peças a partir de 25 reais

Segundo a secretaria, apenas nos arredores do Metrô Belém são feitas, em média, três abordagens para oferecer acolhimento a moradores de rua. Ainda segundo a pasta, desde o dia 15 de maio, foram registrados mais de 240 000 acolhimentos pelo programa Operação Baixas Temperaturas. Apenas na madrugada de sexta, foram 10 963 acolhimentos.

A Operação Baixas Temperaturas é colocada em ação quando há registro de temperaturas abaixo de 13 ºC. Nesses dias, em caráter excepcional, as vagas nos Centros de Acolhida são ampliadas de acordo com a demanda.

Neste fim de semana, uma grande massa de ar frio de origem polar mantém o tempo seco e com sol. Há risco de geada nas áreas menos urbanizadas. No sábado (11), a previsão indica que os termômetros ficarão entre 5°C e 15°C e, no domingo (12), entre 4°C e 16°C, segundo o CGE. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO