História

São Bernardo: o motor do ABC

Cidade cresceu num ritmo superior ao das vizinhas Santo André e São Caetano

Por: Jéssika Torrezan - Atualizado em

Centro de São Bernardo na década de 50 - ESPECIAL DE BAIRROS - 2232a
Centro da cidade na década de 50: ao fundo, a igreja Nossa Senhora da Boa Viagem, que se tornaria a Matriz (Foto: Divulgação)

O INÍCIO

As origens das cidades do ABC paulista se misturam. Em 1550, João Ramalho começou um povoado, oficializado como Vila de Santo André da Borda do Campo em 1553. Devido à capela homônima construída em uma fazenda de monges beneditinos, o local passou a ser chamado de São Bernardo em 1717. A exploração de madeira era a principal atividade da época. A partir de 1877, a área abrigou a chegada de centenas de imigrantes italianos. Quando a localidade virou município, em 1890, seu território compreendia quase todo o ABC.

+ "Comer & Beber": conheça os vencedores da região do ABC

+ Conheça restaurantes, bares e comidinhas no ABC

+ Confira o nosso especial do Itaim Bibi

Aos poucos, a região se desmembrou e deu origem às cidades adjacentes. No início do século XX, com o rápido desenvolvimento de Santo André, São Bernardo se tornou um distrito da atual vizinha. A emancipação veio em 1944, quando o então bairro conseguiu sua independência político-administrativa. Um ano depois, ganhou o status de município e adicionou ao nome o “do Campo” — referência à vila de João Ramalho, e também para se diferenciar do antigo município.

Na década de 50, começou a receber as grandes indústrias automobilísticas e deu um enorme salto econômico. Hoje, é a primeira em número de habitantes no ABC, com 765.000 (em segundo lugar vem Santo André, que possui uma população de 673.000 residentes). Está à frente também em outros indicadores, como o PIB municipal (cerca de 30 bilhões de reais, mais que o dobro do de São Caetano). No último dia 20, completou 458 anos de fundação.

FÁBRICA DE SONHOS

Fundada em 1949 com a missão de se tornar a “Hollywood brasileira”, a Companhia Cinematográfica Vera Cruz teve seu auge na década de 50. O terreno de 100.000 metros quadrados doado por Ciccillo Matarazzo abrigou os estúdios onde seriam rodados alguns clássicos do cinema nacional. O criador da companhia, Franco Zampari — que também fundou o Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC —, recrutou profissionais de diversas partes do mundo. Até 1954, auge da produção, foram produzidos dezoito filmes. Na década de 70, a área foi repassada à prefeitura para quitar dívidas. A administração municipal tem projetos para revitalizar o espaço, que ainda é utilizado para filmagens, mas em menor escala.

 

Galpões da Vera Cruz, na década de 60 - ESPECIAL DE BAIRROS - 2232a
Galpões da Vera Cruz, na década de 60: a época de ouro já havia passado (Foto: WILSON MAGÃO/PMSBC)

"Caiçara" (1950) — Direção: Adolfo Celi.

Primeira produção da companhia, narra o conturbado relacionamento entre um casal em uma aldeia de pescadores. Estrelado por Mário Sérgio e Eliane Lage.

"O Cangaceiro" (1952) — Direção: Lima Barreto.

Os conflitos de um grupo de cangaceiros após o rapto de uma professora. Com diálogos de Rachel de Queiroz, foi premiado no Festival de Cannes.

"Sai da Frente" (1952) — Direção: Abílio Pereira de Almeida e Tom Payne.

Comédia sobre as trapalhadas de um caminhoneiro contratado para levar uma mudança de São Paulo a Santos. Primeiro filme de Mazzaropi.

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

"Tico-Tico no Fubá" (1952) — Direção: Adolfo Celi.

Biografia romanceada do músico Zequinha de Abreu, com Anselmo Duarte e Tônia Carrero. Um dos maiores sucessos da Vera Cruz.

"Carandiru" (2003) — Direção: Hector Babenco.

Recente sucesso do cinema nacional, teve parte das cenas rodada na Vera Cruz. Baseado no livro homônimo de Drauzio Varella, mostra o cotidiano do presídio onde ocorreu o massacre de 111 presos em 1992.

 

Lula discursando em São Bernardo - ESPECIAL BAIRROS - 2232a
Lula discursa no estádio da Vila Euclides, em 1980: greve de 41 dias e prisão (Foto: Sergio Sade)

REPÚBLICA SINDICAL

Insatisfeitos com o salário e a jornada, operários da indústria automobilística do ABC começaram a se organizar nos sindicatos em 1978 para melhorar as condições de trabalho. As primeiras manifestações ocorreram em maio na Scania, Ford, Mercedes-Benz e Volkswagen. Com base na lei antigreve, as ações acabaram reprimidas. Em 1979, uma paralisação geral foi convocada, a primeira desde 1968, quando o AI-5 entrou em vigor. Em 1º de abril de 1980, começou a “greve dos 41 dias” e operários se reuniram no estádio da Vila Euclides para ouvir um discurso do então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Luiz Inácio Lula da Silva. Helicópteros da polícia sobrevoavam o local, que teria recebido cerca de 100.000 pessoas. No dia 19, Lula foi preso ao lado de outros líderes sindicais. Sua mãe, dona Eurídice, morreu enquanto ele estava na cadeia.

 

Parque Cidade da Criança, em São Bernardo - ESPECIAL BAIRROS - 2232a
Cidade da Criança: o parque foi reformado e reaberto ao público em 2010 (Foto: Raquel Toth/PMSBC)

DIVERSÃO POR GERAÇÕES

Primeiro parque temático do país, a Cidade da Criança nasceu em 1968 e fez a alegria de gerações não só de São Bernardo mas também de todo o ABC e da capital. Criado a partir das sobras da cidade cenográfica da novela "Redenção", da extinta TV Excelsior, o local atraía milhares de visitantes nas décadas de 70 e 80. Depois disso, passou por um período de abandono e decadência, que culminou com seu fechamento, em 2005. No ano passado, o parque foi reformado e reaberto ao público. Com cerca de quarenta atrações, recebe atualmente até 10.000 pessoas por fim de semana.

+ Cidade da Criança reabre após reformas

Fonte: VEJA SÃO PAULO