Saiba mais

Santos: praia, passeios e restaurantes a 80 quilômetros da capital

Fundada no início do século XVI, Santos soube se reinventar sem deixar de lado sua memória

Por: Giovana Romani - Atualizado em

Santos_2165
O guia do bonde Jessé Pereira da Silva: casos de antigamente (Foto: Mario Rodrigues)

Passeios por pontos históricos, restaurantes e, claro, as praias fazem da cidade um bom lugar para visitar até mesmo durante um dia só. Se a ideia é esticar a jornada, há 3 000 leitos disponíveis em dezoito hotéis — outros quatro estão em construção. Algumas atrações que valem a viagem:

Bondinho

Fabricados nos Estados Unidos e na Escócia, quatro bondes e um reboque circulam por diversas ruas com passageiros a bordo. Em dezembro, a linha turística foi ampliada e passou a ter 5 quilômetros de extensão. O circuito, que dura cinquenta minutos, percorre quarenta pontos históricos, como o Outeiro de Santa Catarina e a Estação do Valongo. Aos 73 anos, Jessé Pereira da Silva é um dos quatro vovôs sabe-tudo, espécie de guias que auxiliam no embarque dos turistas e relembram casos de antigamente. Entre 1959 e 1971, ele conduziu o bonde. “Nessa época, era usado como transporte coletivo”, diz Silva. Embarque na Praça Visconde de Mauá. De terça a domingo, das 11h às 17h. R$ 5,00.

Bolsa Oficial de Café

O belíssimo prédio localizado no centro foi inaugurado em 1922. Com 6 000 metros quadrados de área construída, abriga hoje o Museu dos Cafés do Brasil, onde há exposição permanente sobre a história da bebida, livraria e biblioteca. O café expresso tirado na cafeteria localizada lá dentro foi considerado pelo júri da edição especial VEJA LITORAL PAULISTA “Comer & Beber” o melhor da região. Rua XV de Novembro, 95, centro, tel.: (13) 3213-1750. De terça a sábado, das 9h às 17h; domingo, das 10h às 17h. R$ 5,00.

Estação do Valongo e Santuário Santo Antônio do Valongo

Inaugurada em 1867 pela São Paulo Railway Company, a estação foi desativada em 1996. O prédio restaurado abriga atualmente a Secretaria de Turismo. Fica bem ao lado do santuário em estilo barroco, que resistiu à cons trução da ferrovia. Reza a lenda que ninguém conseguiu retirar a imagem de Santo Antônio do altar e completar a demolição. Largo Marquês de Monte Alegre, 13, Valongo, tel.: (13) 3219-1481. De terça a domingo, das 8h às 19h. Grátis.

Monte Serrat

Para apreciar a incrível vista a 147 metros de altura, é preciso encarar uma escadaria de 415 degraus ou pegar carona em um dos bondes que partem de baixo a cada meia hora. No cume, ficam o conservado casarão de um cassino que funcionou ali entre as décadas de 30 e 40 e o Santuário de Nossa Senhora do Monte Serrat, construído no século XVI. Praça Correia de Melo, 33, Centro. Tel.: (13) 3221-5665. Saída do bonde diariamente, das 8h às 20h. R$ 18,00 (ida e volta).

Memorial das Conquistas

Em seus 380 metros quadrados de área, o museu do Santos Futebol Clube expõe troféus, fotografias, uniformes, bolas e documentos históricos de diferentes fases do time. Há um espaço dedicado exclusivamente à sua estrela maior, o rei Pelé. Rua Princesa Isabel, 77, Vila Belmiro, tel.: (13) 3257-4099. De terça a sábado, das 9h às 19h; aos domingos, das 9h às 12h30 e das 13h30 às 19h. R$ 4,00 a R$ 7,00.

Aquário Municipal

É a atração mais visitada da cidade. Reúne em seus trinta tanques 4 000 animais de 200 espécies de água doce e salgada. Há moreias, carpas, piranhas, tartarugas, tubarões, corais, ouriços... Entre os destaques, estão Fraldinha, o primeiro pinguim nascido em cativeiro no país, e os simpáticos lobos-marinhos Macaezinho e Alegra. Praça Luiz La Scala, s/nº, Ponta da Praia, tel.: (13) 3236-9996. De terça a sexta, das 9h às 19h; sábados e domingos, das 9h às 20h. R$ 5,00.

Bares e restaurantes

Dos 1 670 bares, restaurantes e lanchonetes de Santos, 161 foram abertos no ano passado. Os dedicados aos pescados merecem destaque. Um dos endereços mais tradicionais da cidade, o Porta do Sol, na região central, existe há quatro décadas e tem entre seus clássicos o camarão à saint jacques (empanado com catupiry, molho agridoce e risoto de cogumelos).

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO