Saúde

Santa Casa pode suspender atendimento na sexta (26)

Entidade precisa confirmar um empréstimo de 40 milhões de reais para conseguir pagar seus fornecedores

Por: Veja São Paulo

Fachada Santa Casa por Mario Rodrigues
Fachada da Santa Casa, na Vila Buarque: eleições marcadas para 16 de abril (Foto: Mario Rodrigues)

Com dívida superior a 400 milhões de reais e novas ameaças de rescisão de contratos por parte de fornecedores, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo pode suspender o atendimento na próxima sexta (26), caso não consiga efetivar nos próximos dias um empréstimo de 40 milhões de reais com a Caixa Econômica Federal.

+ Provedor da Santa Casa anuncia afastamento

A informação foi repassada a médicos da entidade durante reunião de representantes da categoria com o superintendente do hospital, Irineu Massaia, na segunda (22). O encontro teve a participação de oito funcionários que integram o movimento Santa Casa Viva, criado para pedir a renúncia do provedor da instituição, Kalil Rocha Abdalla.

De acordo com o médico José Gustavo Parreira, representante do movimento e um dos presentes na reunião, Massaia explicou que a entidade tenta viabilizar um empréstimo com a Caixa e precisa oferecer um imóvel de igual valor como garantia para obter o crédito.

+ Em crise, Santa Casa paga mais por remédio

O trâmite, porém, precisa ser aprovado pela Mesa Administrativa da Santa Casa, o que teria de ocorrer nesta terça, quando o órgão se reúne de forma extraordinária para discutir o pedido de licença do provedor, anunciado no fim de semana.

"O superintendente disse que já tentou colocar isso em votação na mesa outras duas vezes, mas que não foi aprovado. A situação é muito mais grave do que imaginávamos. Se a alienação do imóvel não for aprovada, não é só o pronto-socorro que fecha, é o hospital inteiro, porque não vai haver dinheiro para itens essenciais, como oxigênio para os pacientes", disse Parreira.

santa casa de misericórdia são paulo
A Santa Casa: auditoria revelou dívida de 433,5 milhões de reais (Foto: Márcio Fernandes/Estadão)

A situação da instituição se agravou ainda mais na segunda quando a empresa que presta serviço de lavanderia e os fornecedores de alimentação e combustível anunciaram que poderão parar por falta de pagamento.

+ Acusações movimentam eleição na Santa Casa

Mais de 1 100 funcionários da companhia que atuavam no hospital foram demitidos. Os cerca de 7 000 funcionários próprios da entidade sofrem com o atraso do pagamento de dezembro e do 13º salário.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO