Segurança

Roubos e homicídios aumentaram em julho na capital

O incremento foi registrado após após três meses em queda, conforme as estatísticas oficiais

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

arma-de-fogo-shuttertock
Criminalidade: registros de mortes passaram de 69 para 72 (4,34%) no município (Foto: Shutterstock)

O número de homicídios e roubos aumentou em julho na capital paulista após três meses em queda, conforme as estatísticas oficiais divulgadas na quinta-feira (25) pela secretaria de Segurança Pública. 

Na comparação de julho deste ano com o mesmo mês de 2015, os registros de mortes passaram de 69 para 72 (4,34%) no município. Os latrocínios (roubos seguidos de morte) passaram de 7 para 9 casos (28,5%). Para o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa, a alteração na curva de homicídios ainda não indica mudança no padrão criminal. "Nem de elevação nem de queda. O sinal é de estabilidade."

O governo destacou os números globais: no ano, os homicídios dolosos diminuíram 8,6% entre janeiro e julho. O total baixou de 2.209 para 2.019, chegando ao menor número da série histórica para o período.

Crise

Quando se consideram os roubos, o acréscimo foi de 2,65% na capital (de 12.679 para 13.016 casos). Ainda chama a atenção nos números estaduais o avanço de 36,2% nos registros de roubos de carga (de 594 para 809). "O aumento está ligado ao avanço da crise", justificou Mágino. 

No entanto, essa análise não é consenso entre especialistas. "O início de uma crise não aumenta determinados crimes, principalmente o roubo", diz o sociólogo especialista em segurança Guaracy Mingardi. "No ano passado, não falavam que o aumento era pela crise, mas por causa de roubo de celular. Ora, ou é uma coisa ou outra. São Paulo conseguiu, por uma série de razões, diminuir os homicídios, porém, nunca conseguiu ter esse efeito com os crimes contra o patrimônio, que uma hora sobem e na outra, descem. É uma gangorra." 

No semestre passado, o secretário foi criticado ao relacionar o aumento pontual nos casos de estupro ao avanço da crise econômica, sobretudo quando se consideram os indicadores de desemprego. No mês passado, porém, as estatísticas apontam queda desse tipo de crime: de 189 para 159 casos (15,87%) na capital e de 739 para 728 (1,48%) no Estado.

Roubo de bicicleta

Mágino anunciou que as estatísticas oficiais passarão a ter novos indicadores criminais. Serão os crimes de lesão corporal seguida de morte e estupro de vulnerável, que não eram contabilizados. O secretário também anunciou que a pasta está elaborando resolução para cadastrar as bicicletas no sistema de dados, de forma a poder registrar roubos e furtos.

+Fique por dentro do que acontece na cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO