Roteiro

Para pais que gostam de um cineminha

Três projetos destinados para pais e crianças

Por: Camila Taira - Atualizado em

CineMaterna - Roteiro sem tédio para pais e filhos
No escurinho do cinema: CineMaterna exibe lançamentos para pais com bebês de até 18 meses (Foto: Guga Ferri)

Dependendo da idade da criança, é difícil escolher entre uma programação que não seja infantil. Três projetos incluem pais e filhos em exibições destinadas só para eles.

CineMaterna - Promove, em média, quatro sessões por semana. Em São Paulo, doze salas já recebem o projeto, que permite que as mamães assistam a bons filmes acompanhadas de seus bebês. A iluminação e o som são mais baixos e, entre a tela e as poltronas, há um carpete para as crianças brincarem. Recomendado para crianças até 18 meses, mas os maiorzinhos também podem participar.

+ Veja os melhores filmes em cartaz na cidade

+ Pais levam bebês a teatros e casas de espetáculos

CineClubinho, do Cine Livraria Cultura – O projeto reserva, semanalmente, o horário das 11h de sábado para o público infantil. A primeira edição começou em janeiro deste ano, com a exibição de “O Saci”, produção de 1951. “Queremos manter a mesma diversidade da programação convencional do cinema, mas tentar privilegiar as produções brasileiras”, diz Patricia Durães, diretora do departamento educativo do Cinespaço, que administra o Cine Livraria Cultura. Neste mês, está em cartaz “O Grilo Feliz”, de Walbercy Ribas. Em maio, a animação “Garoto Cósmico”, de Alê Abreu, pode ganhar as telas do CineClubinho. Recomendado para crianças de 4 a 10 anos.

CineClubinho, do CineSesc – Apesar de ter o mesmo nome que o projeto do Cine Livraria Cultura, tem outra administração. Todo domingo, o CineSesc exibe um filme infantil gratuitamente. O projeto existe desde 2006, mas há dois anos passou a ser semanal. Bebês são bem-vindos, mas quem curte mesmo são as crianças acima de 3 anos. Antes de todas as sessões, uma companhia de teatro explica um pouco o longa que será exibido. Há também dinâmicas (números de mágica, oficina de massinha ou desenho) relacionadas à mensagem do filme.

Fonte: VEJA SÃO PAULO