Viagem

Roteiro 'Comer & Beber': Manaus

Saiba o que há de melhor na gastronomia da cidade

Por: Redação VEJA SÃO PAULO on-line

Restaurante Shin Suzuran, em Manaus - sushi com peixes da região
Mapará imperial (R$ 35,00): peixe regional e técnica japonesa, no Shin Suzuran (Foto: Leo Feltran)

A quinta edição de VEJA MANAUS "Comer & Beber" traz uma seleção de 347 endereços bacanas na cidade — no ano anterior eram 317. Confira abaixo algumas sugestões de lugares que são tiros certeiros: RESTAURANTES

Banzeiro

No comando das panelas está o chef Felipe Schaedler, de 24 anos. O jovem cozinheiro assina criações como o filé de pirarucu empanado com farinha de uarini, ladeado por baião de dois e vinagrete (R$ 52,90) e a degustação de sorvetes de frutas regionais, como açaí, tucumã e taperebá (R$ 11,90).

Shin Suzuran

O chef Hyroia Takano oferece 14 receitas que levam pescados da região. É o caso do sushi amazônia, feito com tucunaré à milanesa, manga, pepino, alga e cobertura de abacate com flocos de trigo e molho tarê (R$ 48,00, com oito unidades).

+ Conheça o roteiro de outros destinos brasileiros

+ Guia: como lidar com crianças dentro do avião

BARES

O Chefão

O nome, a decoração e os itens do cardápio foram inspirados na saga cinematográfica "O Poderoso Chefão". No capítulo das porções, a tom hagen reúne costelinha de porco marinada no uísque Jack Daniel’s, assada e regada ao molho barbecue. Como guarnição, batata frita com casca (R$ 45,00).

Cachaçaria do Dedé

Nas duas lojas o cliente encontra 814 rótulos de destilado, vindas de diferentes regiões do Brasil. Entre as mais apreciadas estão a aguardente de uva Reserva Especial Sítio Ponte Nova (R$ 4,80 a dose) e a Vale Verde (R$ 6,00), ambas produzidas em Minas. Quem prefere os fermentados pode escolher um dos 94 rótulos da carta de cervejas.

COMIDINHAS

Tapiri

Bolo de macaxeira, mungunzá, cuscuz, pamonha, mingau de banana e xcaboquinho são alguns dos quitutes servidos no café regional de Rosilda Oliveira Vieira. Suas receitas atraem moradores da cidade e turistas, que costumam lotar os dois salões cobertos por telhas de barro e jardim à sombra de duas grandes mangueiras.

Fonte: VEJA SÃO PAULO