Cidade

Rolezinho em Itaquera causa tumulto e correria

Cerca de 500 adolescentes se reuniram, e a polícia usou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar o grupo

Por: Juliana Deodoro - Atualizado em

Mais um rolezinho foi registrado no fim da tarde deste sábado (11) e o encontro terminou em correria e tumulto no Shopping Metrô Itaquera, na Zona Leste, e no terminal de ônibus ao lado. De acordo com a Polícia Militar, 500 adolescentes se reuniram no centro de compras entre as 16h e as 18h. Assim como o Shopping JK, o estabelecimento possuía liminar contra a reunião dos jovens. Não evitou, entretanto, o acesso de ninguém.

liminar_ shopping itaquera dia 11 de janeiro
Shopping Metrô Itaquera: liminar proíbe rolezinho na área do centro comercial (Foto: Juliana Deodoro)

Por volta das 18h, pequenos grupos começaram a correr e gritar.  Os lojistas se assustaram, fecharam as portas e acionaram a polícia. O tumulto invadiu, então, o terminal de ônibus localizado na saída do shopping, deixando os usuários do sistema em pânico.

Durante a correria, um quiosque do terminal foi danificado. "A gente faz a segurança privada e esse tipo de coisa ainda acontece. Tivemos que fechar as portas porque eles são menores de idade e não acontece nada", disse Ananda Moraes, proprietária de uma das lojas.

Ainda no terminal, dois meninos disseram ter sido roubados. "Levaram meu Mizuno de 1 000 reais, minha camiseta de 200 reais, minhas pratas, meus ouros", afirmou um deles, Mateus Adelino, de 14 anos.

roubos_rolezinho itaquera dia 11 de janeiro
Garotos que disseram ter sido roubados durante o tumulto no terminal (Foto: Juliana Deodoro)

Para dispersar o grupo, a PM usou gás lacrimogêneo e balas de borracha. A reportagem presenciou a autuação de seis meninos e a apreensão de mais dois - um suspeito de ter danificado o quiosque e outro, de portar uma arma.

O shopping reabriu após ficar uma hora fechado. De acordo com o estabelecimento, os lojistas foram instruídos a baixar as portas se houvesse tumulto. Segundo a PM, não foram registrados furtos ou danos dentro no centro comercial.

Fonte: VEJA SÃO PAULO