Novidade

Sucesso no Instagram, Rogerio Betti abre casa de carnes especiais

O ex-consultor do mercado financeiro entrou de vez no universo dos cortes nobres

Por: Saulo Yassuda

Rogerio Betti
O empresário, em sua primeira loja de Betti: oferta de produtos maturados (Foto: Leo Martins)

Sete anos atrás, Rogerio Betti já aparecia na imprensa. Como consultor do mercado financeiro, dava entrevistas sobre assuntos nada apetitosos, como fundos de renda fixa. Aos 37 anos, reaparece sob os holofotes, na versão açougueiro moderninho e tatuado. Ele acaba de inaugurar uma casa de carnes especiais, a de Betti, na Cidade Jardim. Dessa forma, retorna ao ramo de sua família, dona da extinta Carnes Flórida, rede que chegou a ter 38 endereços na capital. 

A troca do mundo da economia pelo universo dos cortes nobres começou a ser feita há três anos. Por diversão, Betti passou a exibir no Instagram as peças de longa maturação que fazia para consumo próprio e dos amigos — colecionou quase 90 000 seguidores na rede social. Virou referência na área ao se tornar jurado no reality show BBQ Brasil, exibido no primeiro semestre no SBT.

+ Cinco bons lugares para comer picanha

O próximo passo foi abrir seu negócio, com um investimento de cerca de 1 milhão de reais. No ponto de venda, chamam atenção a câmara envidraçada e as vitrines onde repousam produtos frescos. Ali, 1 quilo de picanha premium sai por 79 reais, na média para esse tipo de mercado. “Seleciono a matéria-prima desde a criação”, afirma. Desde o ano passado, ele se dedica também ao Churrascada, evento gastronômico que reuniu por aqui em novembro cerca de 3 000 pessoas. A quarta edição, programada para setembro, tem ingressos a 400 reais, já esgotados.

Ribeye Rogerio Betti
Um dos artigos é o ribeye (Foto: Leo Martins)

O empresário promove ainda cursos semanais, sempre lotados, mas não é unanimidade entre os colegas. “É preciso ter mais respeito com os antigos, não dá para ir se intitulando mestre”, reclama o proprietário de um tradicional endereço de carnes da capital. O açougueiro moderninho parece não ligar. “Meu negócio são meus fãs e seguidores”, costuma dizer, enquanto posta mais fotos de seus cortes na internet.

Fonte: VEJA SÃO PAULO