Criminalidade

Polícia divulga retrato falado de suspeito de estupro no Ibirapuera

“A família está assustada”, disse mãe de vítima de 16 anos;  além dos estupros, polícia registrou mais oito ocorrências dentro do parque no domingo (17)

Por: Adriana Farias - Atualizado em

retrato
Polícia divulga retrato falado de suspeito de ter estuprado menina de 16 anos no Parque do Ibirapuera (Foto: Adriana Farias )

A Polícia Civil divulgou o retrato falado do suspeito de ter estuprado uma menina de 16 anos no Parque do Ibirapuera no último domingo (17). A vítima, moradora de Cidade Ademar, na Zona Leste, compareceu junto à mãe ao 36° Distrito Policial da Vila Mariana na manhã desta quarta-feira (20) para indicar as caractetísticas do criminoso. Segundo a polícia, o rapaz é branco, tem idade entre 18 e 20 anos, barba rala e 1,70 metro de altura. Ele flertava com a moça na data.   A reportagem entrou em contato com a mãe por telefone que limitou-se a dizer que “a família está assustada” e que a “filha não deve frequentar mais o local”.

+ Jovem é indiciado por furtar celular de menina estuprada

A polícia também informou que tanto a vítima de 16 anos, quanto uma outra de 18 anos - violentada no mesmo dia e no mesmo local -, não participaram do rolezinho que ocorreu no parque no final de semana. O evento atraiu 12 000 pessoas ao espaço.

Segundo o delegado Márcio de Castro, titular do distrito, “a vítima disse em depoimento que não foi para o rolezinho e não sabe dizer se o menino tem relação com o evento". Disse também: "O rolezinho pode ter trazido gente do bem e do mau para o parque.”

Relato

Em depoimento, a menina de 16 anos disse ter sido estuprada próximo ao portão 3, na Avenida Pedro Álvares Cabral. A jovem foi socorrida por um agente da Guarda Civil Metropolitana que trabalhava no Parque Ibirapuera, levada ao pronto-socorro do Hospital São Paulo e depois deslocada para o Hospital Pérola Byington.

+ Confira as últimas notícias

No mesmo dia, uma jovem de 18 anos foi estuprada por seis homens. Em depoimento à polícia, ela contou ter sido abordada pelos rapazes no momento em que se relacionava sexualmente com outro homem. Disse que foi forçada a fazer sexo com todos do grupo. Enquanto isso, seu acompanhante fugiu levando seu celular.

Ele foi indiciado nesta terça-feira (19) pelo furto e liberado, segundo o delegado, poderá também ser indiciado por estupro, caso seja comprovado nos exames que ela estava vulnerável, ou seja, tenha consumido drogas e álcool no dia, como relatou em depoimento à polícia.

Fonte: VEJA SÃO PAULO