Contra o machismo

Restaurante cobra mais de homens para alertar sobre salários desiguais

O Ramona, no centro, aumentou em 30% os valores dos pratos para pessoas do sexo masculino durante ação chamada The Unfair Menu

Por: Mariana Oliveira - Atualizado em

 

No dia 19 de março, os clientes do restaurante Ramona encontraram uma mensagem inusitada no cardápio da casa: "+ 30% para homens", dizia. A ação chamada de The Unfair Menu (O Menu Injusto, em português) resultou no vídeo acima e foi uma iniciativa da agência Agnelo Comunicação para provocar um debate sobre o tema da desigualdade salarial no Brasil.

"Eu me recuso a pagar isso" e "tá meio desleal" foram algumas das respostas dos comensais indignados. Em seguida, o gerente apresentava um bilhete explicativo e o cardápio era trocado pelo usual do estabelecimento.

+ Programe-se: 6ª edição do SP Burger Fest acontece em maio

Feita propositalmente no mês da mulher, a realização foi baseada no estudo "Estatísticas de Gênero 2014 - uma análise dos resultados do censo demográfico 2010" do IBGE, que declara que as mulheres ainda ganham 30% a menos do que os homens.

"Nós quisemos ilustrar a situação injusta que passamos diariamente no mercado de trabalho", explica Camila Gurgel, uma das idealizadoras da campanha. "O machismo na publicidade está sendo muito discutido e isso é ótimo. Questionamentos estão surgindo, e grandes marcas precisam se retratar com o público por causa de materiais ofensivos", completa.

+ Delivery entrega comida feita pelas mães dos clientes

Somente neste ano, casos como o da Skol, no Carnaval, cujo resultado foi a troca de toda a campanha, e da Risque, que apelidou sua coleção de inverno como “Homens que Amamos” causaram alvoroço em torno do tema.

Para Ricardo Horta, administrador e sócio do Ramona, apesar de alguns comentários nas redes sociais taxarem o endereço de sexista, o vídeo divulgado no sábado (11) foi bem recebido pelos clientes. "Somos uma casa que abraça causas e se posiciona diante de alguns assuntos, por isso fizemos essa parceria", argumenta.

Fonte: VEJA SÃO PAULO