Gula

Aizomê: japonês com ingredientes brasileiros, mas não 'fusion'

O chef japonês Shinya Koike indica o menu-degustação como a melhor opção para quem pretende conhecer a casa

Por: Daniel Ottaiano - Atualizado em

Aizomê - Luxo
Peito de pato grelhado ao molho tare, do japonês Aizomê (Foto: Mario Rodrigues)

O chef japonês Shinya Koike nega o título de cozinha “fusion” (fusão entre diversas culinárias) que seu restaurante pode levar por conta da presença de técnicas francesas. Para ele, o Aizomê (melhor restaurante japonês pelo COMER & BEBER 2009) tem uma culinária japonesa tradicional, mas adaptada à matéria-prima brasileira.

+ Confira restaurantes para conhecer antes de morrer

+ Luxo: veja guia com os melhores restaurantes, cinemas, baladas e muito mais

Shin, como é chamado, indica o menu-degustação como a melhor opção para quem pretende conhecer a casa. Os pratos dessa opção mudam todos os dias, de acordo com o que o chef encontra no mercado. “Meu pensamento é que a maioria de comida japonesa em São Paulo é sushi e sashimi. Quero apresentar mais pratos quentes”, conta o chef que, do balcão, serve em sua maioria casais e grupos pequenos.

  • Veja guia com os melhores restaurantes, cinemas luxuosos, baladas VIPs, e muito mais
    Saiba mais
  • Japoneses

    Aizomê

    Alameda Fernão Cardim, 39, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3251 5157

    VejaSP
    4 avaliações

    Ao se sentar numa das cadeiras ao redor do balcão e solicitar um menu degustação (R$ 210,00), não espere tanto das pedidas frias, ou melhor, geladas, no caso dos sashimis e sushis. Fatiados com antecedência e deixados no refrigerador, peixes como linguado, carapau e atum ficam quase sem gosto. Felizmente, o mesmo não se pode dizer das sugestões quentes, preparadas pela sócia Telma Shiraishi. Entre as delícias, aparecem ostra empanada e frita com molho tártaro e beterraba e entrecôte de wagyu servido bem malpassado na pedra quente com cogumelos. Sobremesas como a musse de matchá decorada com frutas vermelhas (R$ 26,00), a cargo da chef confeiteira Vivianne Wakuda valem a visita.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO