POLÍTICA

Renan Calheiros cita Valesca Popozuda para falar sobre crise

Presidente do Senando cita versos de "Beijinho no Ombro" para mandar recados ao Planalto

Por: Estadão Conteúdo

Renan Calheiros - Presidente Senado
O presidente do Senado Renan Calheiros: recado musicais para o Planalto (Foto: Renato Costa/Frame/Folhapress)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) se inspirou em Valesca Popozuda para pedir “serenidade” do Planalto no enfrentamento da crise política e econômica que o país atravessa.

Em discurso feito aos integrantes da Comissão Especial do Senado que cnduzirás as discussões sobre a “Agenda Brasil” (medidas para dar fôlego à economia), o pemedebista citou um trecho da música “Beijinho no Ombro” para mandar recados ao Planalto e ressaltar a responsabilidade do Congresso no enfrentamento da crise política e econômica.

"Tiro, porrada e bomba não reerguem nações, espalham ruínas e lamentavelmente só ampliam os escombros. Não seremos sabotadores da nação nem agentes de mais instabilidade", afirmou. "Não somos nem seremos narradores impessoais desse precipício. A crise atual não é apocalíptica, mas exige de todos sensatez e serenidade em busca de saídas."

Valesca Popozuda
Valesca Popozuda: funkeira inspirou fala de presidente do Senado (Foto: Divulgação)

Nesta terça (1º), o Congresso Nacional rejeitou a proposta de compartilhar responsabilidades com o Palácio do Planalto pelo rombo de 30,5 bilhões de reais no Orçamento de 2016. O Legislativo também se esquivou de sugerir a criação de novos impostos para cobrir o déficit orçamentário e de apontar quais programas devem ser cortados para equilibrar as contas públicas.

A presidente Dilma Rousseff se reuniu ontem com os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que deixaram claro não ser uma atribuição do Legislativo apontar as saídas para o Orçamento.

+ Confira as últimas notícias

"Não é papel do Congresso apresentar soluções para superação do déficit fiscal. Não é papel do Congresso zerar déficit nem resolver questão de custos", afirmou Renan, depois de se reunir com Dilma.

O presidente da Câmara, que esteve no Palácio do Planalto pela primeira vez desde que rompeu com o governo, em julho, também foi na mesma direção. Segundo ele, não é obrigação do Congresso resolver problema de déficit no Orçamento.

"Cabe ao Executivo dizer quais são suas limitações e capacidades", afirmou Cunha. O encontro com o presidente da Câmara não teve clima beligerante e no Planalto o entendimento é de que ele se mostrou "colaborativo". Ele sinalizou, inclusive, que não endossará a derrubada dos vetos que impõem novos gastos para o governo, com a volta das pautas-bomba.

Fonte: VEJA SÃO PAULO