Mistérios da Cidade

Publicitário guarda relíquias da Revolução Constitucionalista de 1932

Ricardo Della Rosa tem cerca de 500 objetos do evento que é comemorado no sábado (9)

Por: Maurício Xavier [com reportagem de Nathalia Zaccaro e Pedro Marcondes de Moura]

Ricardo Della Rosa - 2225
Ricardo Della Rosa: "meus dois avôs participaram das batalhas" (Foto: Fernando Moraes)

Em um apartamento no Brooklin, o publicitário Ricardo Della Rosa guarda cerca de 500 relíquias da Revolução Constitucionalista de 1932, que é comemorada neste sábado (9). “Meus dois avôs participaram das batalhas”, explica o colecionador, dono do blog www.tudoporsaopaulo1932.blogspot.com, sobre o tema. “Eu herdei alguns objetos, interessei-me e virou uma mania que dura mais de vinte anos.” Em busca de novas peças, ele percorre antiquários e feiras pelo estado. “Os preços variam muito. Por um capacete, por exemplo, pago entre 20 e 2.000 reais.” Itens como fotos, documentos, medalhas, bandeiras, espadas e fardas se misturam nas prateleiras.

Veja alguns de seus tesouros:

Álbum Paulista - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Álbum Paulista: lançado provavelmente em 1934, contém 224 figurinhas estampadas com medalhas, broches e lembranças da revolução

Munição - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Munição: encontrada em uma trincheira em Eleutério, próximo à divisa com Minas Gerais

Cantil - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Cantil: gravado com o brasão de São Paulo, era utilizado pela Força Pública, a atual Polícia Militar

Túnica - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Túnica: farda utilizada por oficial da Força Pública e adquirida em um antiquário

Medalha Paulista - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Medalha Paulista: feita de prata, foi inicialmente distribuída por bravura e depois vendida como recordação

Capacete - 2225
(Foto: Fernando Moraes)

Capacete: peça rara, foi utilizado por um soldado no “trem blindado”, que era armado com canhões e metralhadoras e percorria as divisas do estado

Fonte: VEJA SÃO PAULO