Criminalidade

Rapaz é suspeito de esquartejar a tia e guardar partes do corpo na geladeira

Guilherme Lozano Oliveira, de 22 anos, foi preso na noite dessa quarta (5), na Zona Norte, após ser denunciado pelo pai

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Guilherme Lozano Oliveira
Rapaz é suspeito de esquartejar a tia: Guilherme Lozano Oliveira tentou fugir, mas bateu o carro e foi preso (Foto: Edu Silva/Futura Press/Folhapress)

Após ser denunciado pelo pai, um jovem de 22 anos foi preso na Vila Medeiros, na Zona Norte, na noite dessa quarta (5). Guilherme Lozano Oliveira é suspeito de matar a tia, Kely Cristina de Oliveira, de 44 anos, em junho. Após enforcar a professora, ele disse para o delegado que esquartejou o corpo e colocou os pedaços em sacos plásticos. Algumas partes o rapaz enterrou em um terreno em Itapevi. O restante, escondeu dentro da geladeira do apartamento onde morava com a vítima.

+ Dupla é presa na Fernão Dias com explosivos e metralhadoras

Desconfiado do desaparecimento da irmã, Marco Antonio Oliveira foi até o apartamento onde ela morava com Guilherme, na Rua Acapuzinho, na Vila Medeiros. Depois de discutir com o filho, o aposentado parou uma viatura da Polícia Militar que fazia patrulhamento pela região e informou sobre sua suspeita, apontando para o filho.

De acordo com a polícia, Guilherme entrou rapidamente no seu veículo, um Ford Escort, e tentou fugir. Entretanto, perdeu o controle da direção e bateu em um poste na esquina da Avenida Júlio Buono com a Rua Major Dantas Cortez.

+ Hospital São Luiz é condenado por abuso sexual

Após receber atendimento médico no Hospital São Luiz Gonzaga, ele foi preso e encaminhado para o 73º Distrito Policial. Para o delegado, Guilherme negou o crime. Entretanto, ao encontrar novamente com o pai, ele confessou o caso. Para o delegado, o rapaz disse que enforcou a tia após uma discussão. 

+ Confira as principais notícias da cidade

O caso foi registrado no 73º DP, mas será investigado pela equipe do 39º DP. Peritos realizarão exames nas partes do corpo para identificar a causa da morte.

Fonte: VEJA SÃO PAULO