Cultura

Racionais MC's faz show de lançamento do CD Cores & Valores

Com cenário grandioso, apresentação atrasou três horas e meia

Por: João Batista Jr. - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Principal grupo de rap paulistano, os Racionais MC’s apresentaram ontem o show de seu novo CD, Cores & Valores, no Espaço das Américas. Esse novo trabalho era muito aguardado após um hiato de doze anos sem lançar músicas inéditas. O que impressionou no show de ontem foi a produção. Em 25 anos de carreira, nunca o Racionais tinham investido em um cenário tão imponente, com jogo de luzes impactante e número considerável de figurantes no palco.  Os detalhes da festa:

- O show, na verdade, foi uma grande balada. Marcado para começar às 22 horas, o espetáculo dos Racionais foi antecedido por ótimas apresentações de Dexter e Negra Li. Todos eles fizeram tributo ao Sabotage, lenda no mundo do rap de São Paulo, assassinado em 2003. “Vamos fazer uma constelação de celulares”, disse Dexter, para que o público levantasse seus aparelhos iluminados.

- Apenas o show dos Racionais tinha cenário, que parecia tanto a fachada de uma prisão quanto de uma instituição financeira (muros altos, arames, guarita...). Figurantes seguravam metralhadora de brinquedo.

Racionais 7
Fachada imitava uma prisão: arames, grandes e armas de brinquedo (Foto: Reprodução)

- Uma e meia da manhã, quando a plateia já dava sinais se cansaço de tanto esperar, começou o show dos Racionais. Foi quando dois portões de ferro, ambos com símbolos enormes do cifrão ($), se abriram e da lá saíram Mano Brow, Ici Blue e equipe. Figurantes seguravam armas de brinquedo e usavam máscaras de palhaço. Palhaço, no mundo da bandidagem, significa criminoso. E criminoso que tatua um palhaço no corpo quer dizer que já assassinou um policial.

- Além de novos sucesso, Mano Brown cantou clássicos como O Homem na Estrada,  Negro Drama e Vida Loka. Ficaram de fora as ótimas Diário de um Detento e Fim de Semana no Parque.

- Um problema apontado pelos fãs: o show foi curto, durou apenas uma hora e vinte minutos.

- O público era eclético. Chamava a atenção a quantidade rapazes que pareciam fantasiados de Mano Brown (boné, regata para mostrar os músculos e o bigode fino). Eduardo Suplicy viu o show do mezanino, onde tirou fotos com diversas pessoas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO