Tragédia em Osasco

Química tentou se matar após marido pular da janela com filho, diz zelador

Funcionário do condomínio diz que Célia foi contida por vizinhos; discussão do casal teria começado por causa de um lanche

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

A química Célia Regina Pesquero, de 49 anos, também teria tentado se matar após o marido, o professor Edemir de Mattos, de 52 anos, ter pulado do 13º andar com o filho, Ivan Pesquero de Mattos, de seis anos, no colo. A tragédia aconteceu no prédio onde a família morava, na Avenida Manoel Pedro Pimentel, em Osasco, na noite de segunda (17).

+ Professor que pulou de prédio com o filho no colo já ameaçava se matar

O zelador do condomínio, Carlos Alberto da Paz e Silva, de 50 anos, disse que a briga entre o casal começou por um motivo banal. “Foi por causa do lanche dele que ela preparava para o dia seguinte.” Durante a discussão, Célia teria dito que estava cansada e que queria o divórcio. “Isso deixou ele transtornado.”

+ “Foi a coisa mais horrível que vi na minha vida”, diz vizinho

Da janela do apartamento do comerciante Adriano de Souza Castro, de 31 anos, alguns moradores tentaram convencer Mattos. Segundo testemunhas, as negociações duraram cerca de cinco minutos, mas o homem acabou pulando, o que resultou em sua morte e na do garoto. Logo após, Célia abriu a porta do apartamento.

+ Pai e filho que caíram de janela são enterrados em cemitérios diferentes

Silva afirma que o apartamento estava todo sujo de sangue. “Ela perguntou se ele tinha se jogado. Falamos que não e levamos ela para o hall”. Ao ver os corpos cobertos, Célia teria afirmado: “eles morreram”. Mas os vizinhos disseram que eles estavam vivos e que esperavam apenas o atendimento médico.

Ainda de acordo com Silva, Célia disse que estava com frio. Nesse momento, ela retornou ao apartamento para buscar um casaco. Foi quando ela seguiu para a sacada do imóvel, mas foi contida pelos vizinhos.

UTI

Com ferimentos no rosto, Célia foi encaminhada para o Hospital Antônio Giglio, no centro de Osasco, onde continua internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Antônio Giglio, no centro de Osasco. Segundo amigas, ela está com o rosto muito inchado, mas já consegue abrir os olhos.

Nesta quarta (19), o menino Ivan foi enterrado no Cemitério Alpha Campus, em Jandira. Já Mattos foi sepultado no Cemitério da Saudade, em Campinas, também nesta manhã.

O síndico do prédio, Claudio Godinho, de 62 anos, disse que o professor nunca demonstrou agressividade. “Era reservado, de poucas palavras, mas educado com todos.” De acordo com ele, Mattos demonstrava ter muito amor pelo filho e a mulher. “Ele brincou com o menino no prédio até as 20h.”  Para as testemunhas, Célia costumava apanhar calada por causa do filho. Na noite de terça, moradores realizaram uma missa e colocaram flores no local onde os corpos foram encontrados.

Fonte: VEJA SÃO PAULO