vencedores

Os preços e as opções mais baratas dos melhores restaurantes da cidade

Quanto custa comer no D.O.M., eleito o número 3 da América Latina pela revista Restaurant, e em outras cinco casas premiadas; conheça os pratos mais em conta

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Melhores restaurantes da América Latina
Melhores restaurantes brasileiros: seis estão em São Paulo (Foto: Ligia Skowronski/ Ricardo Correa/ Divulgação/ Lucas Lima)

Seis restaurantes de São Paulo estão entre os cinquenta melhores da América Latina, de acordo com eleição promovida pela revista inglesa Restaurant, que realiza anualmente o "Oscar da gastronomia". A lista foi anunciada ontem (3), em cerimônia realizada em Lima, no Peru.

 

Eleito o melhor restaurante brasileiro, o paulistano D.O.M. ficou na terceira colocação no ranking geral, que considerou estabelecimentos de 29 países latino-americanos. O primeiro lugar foi para o peruano Central, dos chefs Virgilio Martinez e Pía León, seguido pelo conterrâneo Astrid y Gáston, vencedor do ano passado.

Outros cinco endereços da cidade integram o top 50: Maní (na quarta colocação), Mocotó (12º), Epice (36º), Attimo (38º) e Fasano (44º). São casas com preços salgados, mas indicamos abaixo os pratos e menus executivos mais em conta para quem quiser conhecer os vencedores.

Alex Atala - em alta
Alex Atala: chef do D.O.M., eleito o melhor do Brasil (Foto: Ligia Skowronski)

D.O.M.: sétimo melhor restaurante do mundo pelo ranking da revista inglesa Restaurant divulgado em abril de 2014, tem um cardápio primoroso. O autor das receitas é Alex Atala, que resolveu radicalizar em sua proposta. No jantar, ele serve apenas dois caros menus degustação. Um deles tem carnes (R$ 357,00 quatro etapas; R$ 495,00 oito etapas) e há outro apenas com pratos vegetarianos (R$ 242,00). Mas é possível provar as criações do chef-celebridade pagando menos durante o almoço. Ele propõe de segunda a sexta um menu executivo (R$ 82,00) composto de arroz, feijão-roxo e preto, batata sautée, couve refogada com bacon, banana à milanesa e farofa mais um grelhado, que pode ser filé de saint-peter, frango ou escalope bovino. 

O prato mais barato: arroz negro levemente tostato com legumes verdes e leite de castanha-do-pará (R$ 137,00).

Maní - Helena Rizzo e Daniel Redondo
Maní: o casal Helena Rizzo e Daniel Redondo responde pelo menu (Foto: Divulgação)

Maní: o casal Helena Rizzo e Daniel Redondo nunca entedia o paladar porque renova constantemente suas ótimas receitas. Além da degustação servida no jantar (R$ 360,00), há uma opção mais simples chamada menu temporada, que custa R$ 185,00. A forma mais em conta de conhecer o restaurante é no almoço de terça a sexta, quando entram em cartaz  pratos feitos. Um deles leva picadinho de filé-mignon na companhia de milho, arroz integral, farofa, ovo cozido em baixa temperatura e purê de abóbora (R$ 41,00).

O prato mais barato: talharim de palmito pupunha ao molho de parmesão e azeite de trufas brancas (R$ 63,00).

Mocotó: refeição completa por cerca de 27 reais Foto 2
Mocotó: sabores do sertão nordestino na Zona Norte (Foto: Heudes Regis)

12º Mocotó: não existe hora certa para economizar. O cardápio é composto de ótimos pratos e precinhos camaradas. É o caso do escondidinho de carne-seca (R$ 25,90), feito com propriedade. Surpreendente, o joelho de porco (R$ 38,90), quase se desmanchando ao toque do garfo, recebe a companhia de cuscuz de milho e abóbora assada. Impossível resistir aos melhores torresminhos (R$ 4,90 a unidade ou R$ 12,90 a porção) da cidade para abrir o apetite. Docinho, docinho, o pudim de tapioca (R$ 11,90) leva leite condensado e de coco. Fica ainda mais melado com a calda de coco queimado que vai por cima.

O prato mais barato: baião de dois para uma pessoa (R$ 27,90).

Epice - Alberto Landgraf
Epice: Alberto Landgraf no comando da cozinha (Foto: Mario Rodrigues)

36º Epice: o restaurante do chef Alberto Landgraf faturou o título de melhor contemporâneo na mais recente edição “Comer & Beber”. Quem jantar por lá e pedir o menu degustação desembolsará 225 reais. Por 49 reais, ou menos de um quarto desse valor, saboreiam-se um cardápio executivo autoral do couvert à sobremesa, mais água à vontade. Exemplo: brioche grelhado com patê de foie gras e chutney de cebola-roxa.

O prato mais barato: pé de porco com musseline de foie gras, cogumelos, picles de cnoura e feijão-fradinho (R$ 77,00).

Restaurante - Attimo - 2277
Attimo: sabores ítalo-caipiras em ambiente moderno (Foto: Fernando Moraes)

38º Attimo: eleito chef do ano pela edição especial de VEJA SÃO PAULO "Comer & Beber", Jefferson Rueda faz pratos cheios de personalidade e com uma explosão de sabor. Aqui também há um vantajoso menu de almoço, batizado de zécutivo. Podem aparecer sugestões como anchova sobre arroz e grãos e costelinha de porco, batata-doce e legumes, sempre às quintas. Custa 49 reais.

O prato mais barato: nhoque de batata com molho de tomate e queijo pecorino trufado (R$ 49,00).

FASANO SP TURISMO
Fasano: clássicos italianos em ambiente elegante (Foto: Ligia Skowronski)

44º Fasano: um dos restaurantes mais luxuosos cidade, propõe duas opções de menu degustação, com ingredientes da terra ou do mar. Cada um deles custa R$ 310,00. Os pratos à la carte não são menos salgados. O inesquecível porquinho de leite com pele crocante mais feijão-branco e molho de tomate custa R$ 115,00.

O prato mais barato: nhoque com ossobuco ou o ravióli de pato ao molho de laranja (R$ 99,00 cada um).

Fonte: VEJA SÃO PAULO