publicidade

Diversão

Pub Crawl SP atrai gringos para a noite paulistana

Circuito leva os participantes, estrangeiros e brasileiros, para conhecer três bares e uma balada

13.mai.2011 por Isabella Villalba

A ideia original do Pub Crawl SP era levar turistas estrangeiros para um circuito por três bares e uma balada, na região da Rua Augusta ou na Vila Madalena, em uma única noite. Inspirado em uma invenção inglesa do século XIX e na experiência recente em mais de vinte países, o passeio teve dezesseis edições desde janeiro. Os interessados pagam uma taxa fixa, de 50 ou 60 reais, e têm direito a cerveja ilimitada por uma hora no ponto de encontro, dois drinques nos endereços seguintes e entrada gratuita em uma danceteria, com o trajeto feito geralmente a pé.

As lituanas Renata Jurksaityte, Ieva Bekeryte e Indre Buikyte: turistas de dezessete nacionalidades foram ao evento
As lituanas Renata Jurksaityte, Ieva Bekeryte e Indre Buikyte: turistas de dezessete nacionalidades foram ao evento
(Foto: Fernando Moraes)

Curiosamente, a atração foi tropicalizada no Brasil. Primeiro pela presença da balada: a versão original britânica só incluía bares. Além disso, das cerca de 700 pessoas que participaram até agora, metade era daqui. Vários motivos fazem o evento ser procurado por nativos. Aperfeiçoar- se em outro idioma é um dos pretextos. “Estou treinando meu inglês”, afirma o estudante Henrique Rodrigues. Há quem assuma que entrou no negócio para encontrar um bom partido. “Só tem gringo-filé”, garante a estudante Tainara Cardoso.

Vegas: ponto final do roteiro
Vegas: ponto final do roteiro
(Foto: Fernando Moraes)

No fim do mês passado, 53 participantes foram ao Açaí Beach Bar da Rua Augusta. “É uma boa chance de fazer amigos”, dizia o mexicano Estuardo de Ganges. Uma buzina anunciou a partida para o Exquisito!, na Bela Cintra, onde todos ganharam uma cuba-libre. Antes de chegar ao Kabul, na Consolação, o grupo passou pela Avenida Paulista para tirar fotos. Para se precaver caso alguém exagere na dose e saia mesmo rastejando pelo chão (vem daí o crawl, “rastejar” em inglês), a equipe de apoio leva um kit de primeiros-socorros. “Carregamos até capa de chuva e, em percursos longos, disponibilizamos uma van”, explica Kyu Shim, um dos organizadores. Após 2,2 quilômetros de caminhada, o Vegas, na Rua Augusta, finalizou a peregrinação. A partir daí, foi cada um por si. “Nossa responsabilidade acaba quando o grupo entra na balada”, avisa Paulo Araújo, outro sócio da empreitada.

 

publicidade

esqueça um livro
X

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail