Política

Protesto contra Dilma leva milhares à Paulista

Segundo cálculos da Polícia Militar, 1 milhão de manifestantes estiveram no local. Datafolha contabilizou 210 000 de pessoas

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

 

O protesto contra a presidente Dilma Rousseff (PT) neste domingo (15) levou milhares de pessoas à Avenida Paulista. Os atos contra o governo também foram organizados em pelo menos outras 150 cidades do país. Também houve mobilização de brasileiros que moram em Miami, Nova York e Londres. 

De acordo com a Polícia Militar, 1 milhão de pessoas estiveram presentes no principal cartão-postal da cidade. O Instituto Datafolha, no entanto, contabilizou 210 000 manifestantes, o que torna o protesto de 15 de março a maior manifestação política da capital após a campanha das Diretas Já, há 31 anos. 

A passeata desde domingo, que se concentrou entre a Rua da Consolação e a Avenida Brigadeiro Luís Antônio, foi impulsionada por vários grupos nas redes sociais, sendo os principais os movimentos Vem Pra Rua, Revoltados ON LINE e Movimento Brasil Livre. Partidos políticos, como o PSDB, de Aécio Neves, e o Solidariedade, de Paulinho da Força, também apoiaram oficialmente o ato. Presidente tucano, Aécio, derrotado no pleito presidencial de 2014, não foi às ruas, mas divulgou vídeo apoiando a população que compareceu aos protestos.  "Não vamos nos dispersar", disse.

+ As notícias que mais repercutiram no ato contra Dilma

Além do pedido de impeachment da presidente, alguns grupos também clamavam por intervenção militar no Brasil, ato ilegal e que contraria a Constituição Federal. Os protestos de domingo, que refletem o descontentamento com o governo da presidente Dilma, coincidiram com as comemorações dos 30 anos do restabelecimento da democracia no país.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Embora o movimento na Paulista tenha começado já na manhã de domingo, o ato só ganhou corpo a partir das 13h, quando uma multidão vestindo a camisa da seleção brasileira de futebol chegou ao local. Entoando palavras de ordem, como "Fora, Dilma", "Fora, PT", carregando cartazes contra o governo -alguns inscritos em inglês- e envergando camisetas ironizando a presidente e seu partido, os manifestantes fizeram protesto pacífico.

+ 'Dilma, devolva meu dólar a R$ 1,99' e outros cartazes

Voluntária do Movimento Vem Pra Rua, Ana Ribeiro passou a tarde vendendo camisetas que ironizavam a deficiência de Lula.  Em pouco mais de duas horas, havia comercializado 250 unidades da roupa amarela com o desenho de uma mão com quatro dedos e a palavra "basta". Cada uma custava 25 reais. O dinheiro, segundo ela, será usado para ajudar nos gastos com carro de som e outras despesas da ONG.

Manifestação contra Dilma - 15 de março
Ronaldo com camiseta polêmica: "A culpa não é minha, eu votei no Aécio" (Foto: Veja São Paulo)

A socialite Rosangela Lyra, ex-diretora da Dior no Brasil, vestiu, literalmente, a camisa com a crítica ao ex-presidente. Entre algumas personalidades que marcaram presença, Ronaldo foi uma das que mais chamaram a atenção. O ex-jogador chegou à Paulista vestindo a camiseta confeccionada pela grife Sergio K, que traz a mensagem "A culpa não é minha, eu votei no Aécio".

Apesar de ter ficado apenas 10 minutos no protesto, o Fenômeno teve tempo de subir em um carro de som e ficar ao lado da cantora Wanessa Camargo, que cantou o Hino Nacional.

+ Wanessa Camargo canta Hino Nacional e performance vira meme na internet

O protesto seguia sem nenhum incidente, quando a Polícia Militar deteve vinte integrantes do grupo Carecas do Subúrbio. De acordo com a polícia, eles portavam 37 morteiros, spray de gás pimenta e socos-ingleses. Levados para o 2º DP, no Bom Retiro, eles foram liberados no fim da noite de domingo. 

Vice-presidente apaga post polêmico e diz que sua conta no Twitter foi invadida

Pronunciamento e panelaço

Por volta das 20h, quando a manifestação chegava ao fim, os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência) deram entrevista coletiva. Durante o pronunciamento, moradores de diversas cidades do país voltaram a fazer um panelaço, assim como ocorreu no domingo (8), durante fala da presidente. Em São Paulo, houve registros de manifestações em bairros Moema, Jardins, Mooca, Tatuapé e Higienópolis.

NY Times
Destaque no New York Times: protesto da elite contra a presidente (Foto: Reprodução)

Pelo menos outros 100 municípios brasileiros registraram protestos neste domingo (15). As manifestações manifestações ganharam repercussão internacional: veículos como Le Figaro e Financial Times destacaram a insatisfação da população brasileira. O britânico The Guardian disse que os protestos reuniram centenas de milhares de pessoas “predominantemente brancas e de classe média”. O americano The New York Times entrevistou manifestantes que pediam que a “marinha e o exército salvassem o país do comunismo”.

Fonte: VEJA SÃO PAULO