política

Protesto na Paulista pede impeachment de Dilma e punição a corruptos

Cerca de 5 000 manifestantes se dividiram entre os que queriam intervenção militar e os que pediam a saída da presidente

Por: Alessandra Freitas - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Um grupo de aproximadamente 5 000 manifestantes se reuniu neste sábado (6) na Avenida Paulista para protestar contra a corrupção no governo atual. Alguns pediam o impeachment da presidente Dilma Rousseff, entoando gritos de "fora PT" e "muda, Brasil!". Outros carregavam cartazes a favor da intervenção militar no país.

+ Manifestação a favor de impeachment ocupou Avenida Paulista

O protesto, que teve início às 15h, se concentrou no vão livre do Masp e na calçada em frente ao Parque Trianon. O carro que representava o movimento Brasil Livre convocou os manifestantes para uma passeata até a Praça Roosevelt, no centro da cidade.

A professora Kátia Gomes, uma das que defendiam a intervenção militar, afirmou que gostaria de ver o Exército no poder por um período. Segundo ela, todos os setores do governo estão corrompidos, e essa seria a única solução para livrar o país da corrupção. Ela negou que houve ditadura militar no país após o golpe de 1964: "O que houve foi um regime de exceção".

+ Fernando Haddad voltará a dar aulas na USP em 2015

Com discurso no mesmo tom, o construtor civil Marques Alves afirmou que o país está corrompido. Ele também defendia a volta dos militares. "Não tem como saber se há alguém do PT infiltrado aqui", disse.

Nem todos, no entanto, engrossavam o mesmo coro. A aposentada Brígida Costa insistia nos gritos de "democracia" e "intervenção militar, não". Argumentava com outros manifestantes que a volta do Exército seria uma "bobagem".

Ao longo do protesto, foi possível ouvir dos porta-vozes do movimento a favor da ditadura que esse período não matou ninguém, apenas "bandidos, vagabundos e comunistas". De chapéu e camisa do Brasil, Carlos Alberto Augusto, um ex-delegado do Dops, era um dos mais exaltados. "Os comunistas me chamavam de Carlinhos Metralha, mas meu apelido é Carteira Preta", conta. Ele trabalhou durante o regime militar como investigador de polícia e diz ter prendido comunistas com "muito orgulho".

+ CET reduzirá limite de velocidade nas marginais

Com um cartaz luminoso nas mãos, também contra a presidente, o estudante Leonardo Zenzen disse que sua participação era para lutar contra a mudança da PLN 36, alteração da lei de diretrizes orçamentárias. Para Leonardo, essa lei só irá esconder o fato de Dilma ter estourado o orçamento do país.

Fonte: VEJA SÃO PAULO