Eleições

Promotoria pede cassação de candidatura de Doria e penalidade a Alckmin

Ministério Público entrou com ação na Justiça Eleitoral na noite de segunda (26) acusando o governador de abuso de poder político

Por: Adriana Farias

doria campanha
 Joao Doria fez uma caminhada pelas ruas do centro da capital nesta terça (16) (Foto: Marcelo S. Camargo / Framephoto / Estadão Conteúdo)

O Ministério Público do Estado de São Paulo entrou com uma ação na Justiça Eleitoral na noite de segunda-feira (26) pedindo a cassação do registro de candidatura de João Doria (PSDB) e inelegibilidade do governador Geraldo Alckmin por abuso de poder político.

+ As propostas de campanha com a menor probabilidade de sair do papel

Segundo José Carlos Bonilha, promotor de justiça da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, a ação versa sobre três pontos acerca do uso da máquina estadual em prol do candidato, que é líder das pesquisas de intenção de voto:

1º A funcionária Patrícia Iglecias, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, foi exonerada para que fosse colocado em seu lugar Ricardo Salles, do PP, ex-secretário particular do governador, afim de beneficiar João Doria, com 25% a mais de horário eleitoral na televisão;

2º A ação também cita o envolvimento do governador em atos eleitorais antes da oficialização da candidatura de Doria. O promotor diz que os dois circularam juntos por comunidades, como Heliópolis, e se deixaram fotografar.

3º O terceiro ponto versa sobre o slogan “Acelera SP”, que é cópia do nome de um programa do governo.  Segundo a ação, é um selo do Governo do Estado e não poderia ser usado por uma agremiação partidária.

 “É um claro desvio de finalidade, que não denota interesse público do governador e sim político-partidário”, diz Bonilha.

+ Candidatos a vereador declaram de 1 centavo a 14,7 milhões de patrimônio

OUTRO LADO

O advogado Anderson Pomini, da campanha de João Doria, respondeu a VEJA SÃO PAULO por meio de nota dizendo que a equipe ainda não foi notificada e criticou a ação do promotor.

"As razões do Ilustre promotor reveladas a poucos dias da eleição são frágeis e carecem dos mínimos elementos probatórios", diz o texto. "Parte-se de uma premissa equivocada e sem respaldo legal que pretende impedir que o candidato João Doria receba apoio de partidos e de lideranças políticas. Certamente será arquivada, como todas as demais anteriormente divulgadas aos jornais e posteriormente arquivada pela Justiça Eleitoral".

Com relação ao governador, a assessoria de imprensa da Casa Civil informou, também por meio de nota, que "tomou conhecimento da ação pela imprensa a menos de uma semana depois do pedido de esclarecimento" encaminhado pelo Procurador Geral de Justiça com o mesmo propósito. "Os esclarecimentos que o governo estadual encaminhará serão suficientes para demonstrar a improcedência da referida ação judicial".

Fonte: VEJA SÃO PAULO